domingo, 20 de abril de 2014

O Cão dos Baskerville (Sherlock Holmes)


O livro conta a história da família Baskerville que é assombrada a centenas de anos por um cão diabólico. A sua primeira vítima foi Sir Hugo Baskerville, fundador dos Baskervilles. Sir Hugo Baskerville era terrível, chegando ao ponto de raptar jovens moças e assim aproveitar-se delas. Mas um dia uma dessas moças fugira e Sir Hugo Baskerville ao seguí-la foi morto pelo cão. 

Após ocorrer outra morte, a de Sir Charles Baskerville, o último a ser morto pelo cão, Dr.Mortimer então resolve contar para Holmes sobre a lenda e sobre a morte de Sir Charles e pedir ajuda para ele, pois agora o cão teria um novo alvo que era Sir Henry Baskerville, o último herdeiro da família Baskerville. 

Holmes e Watson decidem ir para a mansão dos Baskerville para investigar e proteger Sir Henry. Ao chegar na mansão Baskerville Holmes e Watson começam a investigar sobre a lenda e sobre a morte de Sir Charles perguntando para os moradores vizinhos sobre o caso e com isso conheceram Sir Spatelon, um estranho naturalista e sua irmã a Sra.Spatelon, que tenta avisar Sir Henry do perigo que ele corre ficando na mansão e que ele deveria voltar para Londres. 

Após esse estranho acontecimento com a irmã de Sir Spatelon, Holmes e Watson conversam e investigam um pouco mais sobre Spatelon descobrindo algumas coisas. 

Mas num determinado dia Holmes investigando a mansão vê um quadro de Hugo Baskerville o fundador da família, e percebe a semelhança de Hugo e Spatelon. Com isso Holmes consegue resolver o mistério: na verdade o verdadeiro culpado da morte de Sir Charles era Spatelon, que era também um Baskerville.

Spatelon ao saber da lenda comprou um cão muito grande e usou algumas soluções químicas para dar um tom diabólico ao cão. Com isso, já que todos conheciam a lenda ele poderia matar os outros herdeiros com o cão e ninguém desconfiaria dele e ele ficaria com toda a fortuna da família Baskerville. 

A partir daí Holmes e Watson resolveram fazer uma armadilha para o cão e para Spatelon. Holmes mandou Sir Henry sair a noite e disse para todos que voltaria para Londres para que Spatelon não desconfiasse e assim quando ele soltasse o cão seria pego. Spatelon caiu na armadilha e logo soltou o cão atrás de Sir Henry. Sendo assim, o cão foi seguido por Holmes e Watson que iam atrás dele atirando. Porém o cão conseguira alcançar Sir Henry, derrubando-o no chão e o deixando desacordado. Mas enfim Sherlock Holmes chega a tempo e o cão acaba sendo morto por ele. 

No final tudo é resolvido e Sir Henry se casa com a Sra.Stapleton pois os dois eram apaixonados e ela não era irmã do Sr Stapleton, como todos pensavam e sim a esposa dele (isso porque o Sr Stapleton fizera ela mentir para que ninguém desconfiasse do seu plano). 

Após resolverem o mistério Holmes e Watson voltam para Londres para decifrarem os próximos novos mistérios.

Um estranho numa terra estranha (Robert A. Heinlein)


Era uma vez uma expedição a Marte. Nessa expedição seguiram 3 homens e 3 mulheres, casados. Um dos homens é infiel à sua esposa com outra mulher, que é também infiel ao marido. Da relação nasce uma criança.

Ora, o marido traído descobre a situação e num acesso de ciúme assassina a esposa e o amante. Há mais umas voltas na história e toda a tripulação morre, com exceção do recém-nascido. Este é educado desde pequenino por Marcianos.

A partir daqui é que a história se torna interessante. O humano com educação de marciano regressa à Terra cerca de 20 anos depois. Todo o livro é uma fascinante exploração de um homem, que foi educado fora da civilização humana, a aprender conscientemente a ser um homem.
Valentine Michael Smith têm de aprender, compreender e por vezes aceitar, todo o conjunto de valores humanos.

O livro aborda todos os aspectos da sociedade humana, desde a política, religião, sexo, casamento, serviço militar, direito, etc… O autor consegue colocar-nos numa posição que nos leva a pensar no que somos, porque somos, porque fazemos o que fazemos e da maneira que o fazemos.

O Apanhador no Campo de Centeio (J.D. Salinger)


O Apanhador no Campo de Centeio é um romance escrito pelo americano J. D. Salinger, tendo sua primeira publicação em 1951. A obra é considerada uma das mais importantes do século XX, devido à sua grande influência em jovens de todas as gerações até os dias de hoje. 

O livro tem como protagonista Holden Caulfield, um adolescente de 16 anos com dificuldade de deixar a inocência para trás e entrar na vida adulta. A história começa com Holden reprovando na escola pela quarta vez, e consequentemente sendo expulso. Alguns dias antes da data marcada para ele voltar para casa, ele procura alguma forma de concluir seus últimos dias de vida escolar, mas acaba tão enjoado da escola e do seu colega de quarto que decide partir no meio da noite para Nova Iorque. Para não chegar em casa antes da data esperada por seus pais, ele decide ficar pela cidade para adiar o confronto com eles. Durante três dias na cidade, ele busca por respostas e conselhos em conversas com velhos amigos, taxistas, prostitutas, professores e freiras, chegando a conclusões muito importantes para sua vida. Quando seu dinheiro acaba, ele pensa em fazer um “mochilão” no oeste dos EUA, mas acaba voltando para casa, principalmente para estar com sua irmã mais nova, Phoebe. Apesar do autor não explicitar ao longo da obra, é possível fazer uma divisão dos assuntos abordados em três partes: quando Holden é expulso da escola Pencey Prep, as aventuras de Holden na cidade de Nova Iorque e, por fim, o retorno de Holden à sua casa. 

A obra é narrada em 1ª pessoa, sendo possível identificar três vozes: a de J.D. Salinger, a de Holden Caulfield com 17 anos, na narração, e a de Holden Caulfield com 16 anos, nos diálogos. A narração é feita na forma de fluxo de consciência, ou seja, os eventos são narrados na medida em que Holden Caulfield pensa neles, o que faz com que a cronologia dos fatos não seja exata. A linguagem é marcada pela fala informal dos adolescentes americanos da época e pelas expressões próprias do personagem. A intenção de Salinger era fazer com que seu personagem fosse o mais autêntico possível e, ao mesmo tempo, único e individual. 

O foco não é o que de fato acontece, mas sim as reflexões do personagem ao longo das situações. 

Na passagem que dá o título ao livro, Holden explica que não consegue se imaginar se encaixando em nenhum papel que a sociedade espera dele, como por exemplo, ser um advogado ou um cientista. Ao invés disso, ele se imagina como um apanhador no campo de centeio, que fica na beira de um grande campo de centeio protegendo criancinhas, impedindo-as de cair. Com isso, é possível ver os dois lados da personalidade de Holden, quando ele admite que ele é um fracasso e que não consegue se encaixar no mundo adulto, mas também é sensível e inocente, tendo compaixão e compreensão por aqueles que são descolocados ou indefesos.