quarta-feira, 30 de novembro de 2016

Caramuru (Santa Rita Durão)


Caramuru (Santa Rita Durão) Poema Épico do Descobrimento da Bahia é composto de dez cantos e, de acordo com o gênero, divide-se em cinco partes: proposição, invocação, dedicação, narração e epílogo. 

Canto I: Na primeira estrofe, o poeta introduz a terra a ser cantada e o herói - Filho do Trovão -, propondo narrar seus feitos (proposição). Na estrofe seguinte, pede a Deus que o auxilie na realização do intento (invocação), e da terceira à oitava estrofes, dedica o poema a D. José I, pedindo atenção para o Brasil, principalmente a seus habitantes primitivos, dignos e capazes de serem integrados à civilização cristã. Se isso for feito, prevê Portugal renascendo no Brasil. Da nona estrofe em diante, tem-se a narração. 

A caminho do Brasil, o navio de Diogo Álvares Correia naufraga. Ele e mais sete companheiros conseguem se salvar. Na praia, são acolhidos pelos nativos que ficam temerosos e desconfiados. Os náufragos, por sua vez, também temem aquelas criaturas antropófagas, vermelhas que, sem pudor, andam nuas. Assim que um dos marinheiros morre, retalham-no e comem-lhe, cruas mesmo, todas as partes. Sem saber o futuro, os sete são presos em uma gruta, perto do mar, e, para que engordem, são bem alimentados. 

Notando que os índios nada sabem de armas, Diogo, durante os passeios na praia, retira, do barco destroçado, toda pólvora e munições, guardando-as na gruta. Desde então, como vagaroso enfermo, passa a se utilizar de uma espingarda como cajado. Para entreter os amigos, Fernando, um dos náufragos, ao som da cítara, canta a lenda de uma estátua profética que, no ponto mais alto da ilha açoriana, aponta para o Brasil, indicando a futuros missionários o caminho a seguir. 

Um dia, excetuando-se Diogo, que ainda estava enfermo e fraco, os outros seis são encaminhados para os fossos em brasa. Todavia, quando iam matar os náufragos, a tribo do Tupinambá Gupeva é ferozmente atacada por Sergipe. Após sangrenta luta, muitos morrem ou fogem; outros se rendem ao vencedor que liberta os pobres homens que desaparecem, no meio da mata, sem deixar rastro. 

Canto II: Enquanto a luta se desenvolve, Diogo, magro e enfermo para a gula dos canibais, veste a armadura e, munido de fuzil e pólvora, sai para ajudar os seis companheiros que serão comidos. Na fuga, muitos índios buscam esconderijo na gruta, inclusive Gupeva que, ao se deparar com o lusitano, saindo daquele jeito, cai prostrado, tremendo; os que o seguiam fazem o mesmo; todos acham que o demônio habita o fantasma-armadura. 

Álvares Correia, que já conhecia um pouco a língua dos índios, espera amansá-los com horror e arte. Levantando a viseira, convida Gupeva a tocar a armadura e o capacete. Observa, amigavelmente, que tudo aquilo o protege, afastando o inimigo, desde que não se coma carne humana. Ainda aterrorizado, o chefe indígena segue-o para dentro da gruta, onde Diogo acende a candeia, levando-o a crer que o náufrago tem poder nas mãos. Sob a luz, vê, sem interesse, tudo que o branco retirara da nau. 

Aqui, o poeta, louva a ausência de cobiça dessa gente. Entre os objetos guardados pelos náufragos, Gupeva encanta-se com a beleza da virgem em uma gravura. Tão bela assim não seria a esposa de Tupã? Ou a mãe de Tupã? Nesse momento, encantado pela intuição do bárbaro, Diogo o catequiza, ganhando-lhe, assim a dedicação. Saindo da gruta, o índio, agora manso e diferente, fala a seu povo Tupinambá, ao redor da gruta. Conta-lhes sobre o feito do emboaba, Diogo, e que Tupã o mandara para protegê-los. Para banquetear o amigo, saem para caçar. 

Durante o trajeto, Álvares Correia usa a espingarda, aterrorizando a todos que exclamam e gritam: Tupã Caramuru! Desde esse dia, o herói passa a ser o respeitado Caramuru - Filho do Trovão. Querendo terror e não culto, Diogo afirma-lhes que, como eles, é filho de Tupã e a este, também, se humilha. Mas que como filho do trovão, (dispara outro tiro) queimará aquele que negar obediência ao grande Gupeva. Nas estrofes seguintes, o poeta descreve os costumes da selva. 

Caramuru instala-se na aldeia, onde imensas cabanas abrigam muitas famílias, que vivem em harmonia. Muitos índios querem vê-lo, tocá-lo. Outros, em sinal de hospitalidade, despem-no e colocam-no sobre a rede, deixando-o tranquilo. 

Paraguaçu é uma índia, de pele branca e traços finos e suaves. Apesar de não amar Gupeva, está na tribo por ter-lhe sido prometida. Como sabe a língua portuguesa, Diogo quer vê-la. Após o encontro os dois estão apaixonados. 

Canto III: À noite, Gupeva e Diogo conversam sob a tradução feita por Paraguaçu. O lusitano fica pasmo ao saber que, para o chefe da tribo, existe um princípio eterno; há alguém, Tupã, ser possante que rege o mundo; aquele que vence o nada, criando o universo. 

O espírito de Deus, de alguma maneira, comunica-se com essa gente. Gupeva eloqüente fala acerca da concepção dos selvagens sobre o tempo, o Céu, o Inferno. Abordam a lenda da pregação de S. Tomé em terras americanas. Concluindo a conversa, o cacique diz que estão para ser atacados pelos inimigos; Caramuru aconselha-o a ter calma. De repente, chegam os ferozes índios Caetés que, ao primeiro estrondo do mosquete, batem em retirada, correndo, caindo; achando, enfim, que o céu todo lhes cai em cima. 

Canto IV: O temido invasor noturno é o Caeté, Jararaca, que ama Paraguaçu perdidamente. Ao saber que ela esta destinada a Gupeva, declara guerra. Após o ataque estrondoso do Filho do Trovão, Jararaca convoca outras nações indígenas com as quais tinha aliança: Ovecates, Petiguares, Carijós, Agirapirangas, Itatis. Conta-lhes que Gupeva prostrou-se aos pés de um emboaba pelo pouco fogo que acendera, oferecendo-lhe até a própria noiva. 

O cacique alerta-os que se todos agirem assim, correm o risco de serem desterrados e escravizados em sua própria terra, enchendo de emboabas a Bahia. Apela para a coragem dos nativos, dizendo que apesar do raio do Caramuru ser verdadeiro, ele nada teme, porque não vem de Deus. Não há forças fabricadas que a eles destruam. A guerra tem início e Paraguaçu também luta heroicamente e, num momento de perigo, é salva pelo amado lusitano. 

Canto V: Depois da batalha, os amantes discorrem sobre o mal que habita o ser humano e qual a razão de Deus para permiti-lo. Em seguida, em Itaparica, o herói faz com que todos os índios se submetam a ele, destruindo as canoas com as quais Jararaca pretendia liquidá-lo. 

Canto VI: As filhas dos chefes indígenas são oferecidas ao destemido Diogo, para que este os honre com o seu parentesco. Como ama Paraguaçu, aceita o parentesco, mas declina as filhas. Na mata, o herói encontra uma gruta com tamanho e forma de igreja e percebe ali a possibilidade dos nativos aceitarem a Fé Cristã, e se dispõe a doutriná-los. Mais tarde, salva a tripulação de um navio espanhol naufragado e, saudoso da Europa, parte com Paraguaçu em um barco francês. 

Quando a nau ganha o mar, várias índias, interessadas em Álvares Correia, lançam-se nas águas para acompanhá-lo. Moema, a mais bela de todas, consegue chegar perto do navio Agarrada ao leme, brada todo seu amor não correspondido ao esquivo e cruel Caramuru. Implora para que ele dispare sobre ela seu raio. Ao dizer isso, desmaia e é sorvida pela água. As outras, que a acompanhavam, retornam tristes à praia. Nas demais estrofes do canto, a história do descobrimento do Brasil é contada ao comandante do barco francês. 

Canto VII: Na França, o casal é recebido na corte e Paraguaçu é batizada com o nome da rainha Catarina de Médicis, mulher de Henrique II, que lhe serve de madrinha. Diogo lhes descreve tudo o que sabe a respeito da flora e fauna brasileira. 

Canto VIII: Henrique II se predispõe a ajudar Diogo Álvares na tarefa de doutrinamento e assimilação dos índios, oferecendo-lhe tropa e recompensa. Fiel à monarquia portuguesa, o valente lusitano recusa tal proposta. Na viagem de volta ao Brasil, Catarina-Paraguaçu profetiza, prospectivamente, o futuro da nação. Descreve as terras da Bahia, suas povoações, igrejas, engenhos, fortalezas. Fala sobre seus governadores, a luta contra os franceses de Villegaignon, aliados aos Tamoios. Discorre sobre o ataque de Mem de Sá aos franceses no forte da enseada de Niterói e sobre a vitória de Estácio de Sá contra as mesmas forças. 

Canto XIX: Prosseguindo em seu vaticínio, Catarina-Paraguaçu descreve a luta contra os holandeses que termina com a restauração de Pernambuco. Canto X A visão profética de Catarina-Paraguaçu acaba se transformando na da Virgem sobre a criação do universo. Ao chegar, o casal é recebido pela caravela de Carlos V que agradece a Diogo o socorro aos náufragos espanhóis. 

A história de Pereira Coutinho é narrada, enfatizando-se o apoio dos Tupinambás na dominação dos campos da Bahia e no povoamento do Recôncavo baiano. Na cerimônia realizada na Casa da Torre, o casal revestido na realeza da nação espanhola, transfere-a para D. João III, representado na pessoa do primeiro Governador Geral, Tomé de Souza. 

A penúltima estrofe canta a preservação da liberdade do índio e a responsabilidade do reino para com a divulgação da religião cristã entre eles. Na última (epílogo), Diogo e Catarina, por decreto real, recebem as honras da colônia lusitana.

domingo, 20 de novembro de 2016

O diário de Anne Frank (Anne Frank)


O diário de Anne foi um presente para seu 13° aniversário em 12 de Junho de 1942. Anne o nomeou de Kitty e passou a contar tudo o que acontecia a ele. 

Anne e sua família eram judeus e como estavam em meio a uma guerra , recebiam tratamento diferenciado: Tinham que usar uma estrela amarela em suas roupas, fazer compras em lojas de judeus , só frequentar lugares possuídos por judeus, não podiam andar de bonde ou outro veículo a não ser de bicicleta e deviam estudar em escolas especiais, para judeus. 

Algum tempo depois, veio uma notícia que mudara totalmente a vida de Anne e sua família: Sua irmã Margot fora convocada para a guerra. Com isso tiveram que partir em direção ao desconhecido: Tiveram que se mudar para um esconderijo no anexo secreto da empresa onde o pai de Anne trabalhava. Junto com a família Frank, fora também a família Van Daan (Peter, Sr. Van Daan,e Petronella).

Quem ajudava aos “Foragidos” eram Bep, Miep, Kugler, Kleiman e o Sr. Voskuijl, que forneciam comida e outros materiais necessários. 

Depois de muito pensar, decidiram que seria adicionado um oitavo hóspede ao anexo e foi decidido que esse hóspede seria o dentista Albert Dussel, ele se instalara no quarto de Anne. 

Às vezes Anne se sente muito triste e solitária no anexo, ela discute muito com a mãe e tem uma convivência conturbada com os moradores. Certo dia quando foram ao sótão descobriram que havia ratos lá e com isso deixaram Mouschi (Gata de Peter) para devorá-los. 

O Sr. Kleiman vivia sofrendo hemorragias no estômago devido a um problema. Muitas são as disputas e discussões no anexo: Os Frank com os Van Daan, Anne com sua mãe, Van Daan com Dussel, etc.

Anne completara 14 anos e recebera um poema de seu pai, e doces e livros de outros hóspedes. O Sr. Voskuijl estava muito doente e fora diagnosticado com Câncer. O radinho que eles ouviam teve que ser entregue na recolhida e Bep conseguira outro inferior no mercado negro.

O norte de Amsterdã fora destruído gerando mais de 200 mortos e muitos feridos. Depois de tanta espera, finalmente veio uma notícia boa: Mussolini renunciara ao poder na Itália.

Anne teve em um sonho a imagem de sua amiga Hanelli sofrendo nos campos de concentração, sentiu pena, culpa e pediu a Deus para protegê-la. Ela vê em Hanne a figura de todos os outros judeus, que sofrem apenas por serem judeus. 

Durante dezembro chega o dia de São Nicolau e os “Foragidos” ganham um bolo com a frase “Paz em 1944” de Mep, Bep, Kleiman e Kugler. 

O anexo fôra roubado e levaram 40 florins e açúcar. A convivência com a família de Van Daan está cada vez mais difícil, pois eles escondem comida, não dividem e consomem mais do que os outros.

Anne teve uma mudança em sua vida, pois passou a compreender e ter mais sabedoria. Anne começa a buscar a companhia de Peter e começa a compreendê-lo. Ela sobe diariamente ao sótão de Peter e começa a desenvolver um sentimento maior que a amizade, um tipo de amor. 

No dia 11 de abril de 1944 o anexo enfrentou uma nova aventura: Peter, Dussel, Sr. Van Daan e Pim (Apelido de Otto) descem para verificar alguma coisa justamente na hora que um casal passa e ilumina tudo com uma lanterna. Depois disso sobem rapidamente e percebem que alguém tenta arrombar a porta. Felizmente essa pessoa vai-se embora, porém os “Foragidos” permanecem aflitos até de manhã quando o Sr. Kleiman volta. Porém quando este chega e fica a parte de tudo, ele os repreende e os proíbe de descer à noite. 

Anne conta tudo sobre ela e Peter a seu pai (Pim), que acha melhor eles se afastarem, pois essa historia poderia virar romance. No entanto Anne continua a visitar Peter e ainda escreve uma carta desabafando tudo a seu pai, que fica muito triste porque nunca recebera uma carta com tanta injustiça e dureza como aquela. Depois Anne percebe que errou sendo dura demais com seu amado Pim e pede desculpas a ele. 

O país se tornou ainda mais anti-semita, mesmo aqueles que eram bons. Isso causa medo e preocupação aos “Foragidos”. 

Anne em maio de 1944 sofrera uma recaída de mau-humor, tristeza, e falta de esperança devido a vários motivos: O fornecedor de alimentos havia sido preso, o anti-semitismo extremo, má alimentação, estresse, falta de liberdade, medo, solidão, etc. 

Anne volta ao normal e começa a acreditar que o fim da guerra está próximo, pois um general da nobreza alemã tentara assassinar Hitler. 

O diário de Anne terminou em 1 de agosto de 1944. Os oficiais da Gestapo descobrem o esconderijo da família, em 4 de agosto de 1944, prendem os refugiados e os conduzem para diferentes campos de concentração. Anne, que já estava bastante debilitada, por conta da péssima alimentação, acaba sofrendo mais ainda. 

Anne morrera em março de 1945 em Bergen-Belsen. Alguns historiadores recentemente conseguiram provas de que a jovem teria morrido antes da data que se pensava, por conta de tifo e não na câmara de gás, como a irmã. Da sua família, o único sobrevivente foi o pai, Otto, que lutou para publicar o Diário de Anne Frank. Depois da sua morte, Anne torna-se famosa no mundo inteiro por causa do diário que escreveu quando ainda estava escondida. 

Sobre o livro: 

Conhecido em todo o mundo através do teatro, adaptações para televisão e traduções, “O Diário de Anne Frank”, incrível documento humano, continua a chocar e a emocionar. Ele assinala passagens de uma vida insólita, problemas da transformação da menina em mulher, o despertar do amor, a fé inabalável na religião e, principalmente, revela a nobreza fora do comum de um espírito amadurecido no sofrimento. 

A ideia inicial de Anne, mais do que desabafar com palavras, era escrever um diário, para que, posteriormente, fosse publicado, logo que a guerra acabasse. A idéia de escrever um diário nasce após Anne ouvir uma transmissão radiofônica que incentivava as pessoas a documentar os eventos ligados à guerra, pois este material teria, futuramente, um alto significado. Ela inscreve em seus escritos tudo o que se passa no cotidiano de sua família inclusive sua notória predileção pelo pai, que considerava amoroso e nobre, ao contrário da mãe, com quem a menina estava sempre em direto embate.

domingo, 16 de outubro de 2016

Eu Sobrevivi ao Holocausto (Nanette Blitz Konig)


Nanette Blitz Konig nasceu na Holanda. É filha de Martijn Willem, holandês que trabalhava na diretoria do Banco de Amsterdã. Sua mãe Helene era uma ótima pessoa e educadora. Seu irmão, Bernard Martijn era dois anos mais velho que Nanette e bem mais quieto do que ela. 

Todos moravam em uma casa grande de três andares e viviam em paz até que anos mais tarde os tempos mudaram. Em 1938 ocorreu a terrível “Noite dos Cristais” em que as propriedades dos judeus foram saqueadas e as sinagogas queimadas por toda a Alemanha. Hitler começara claramente a concretizar seu plano de expulsar e exterminar os judeus. 

Aos poucos os judeus foram sendo excluídos da sociedade e Nanette sentindo sua liberdade sendo arrancada. Nanette não podia mais andar de bicicleta pelas ruas e vários locais como cinemas, parques, etc... Os Judeus eram proibidos de entrar onde nestes estabelecimentos intitulava a placa: Proibido para judeus! Os poucos locais em que os judeus poderiam ir deveriam ser identificados pela “Estrela Amarela”. 

Os funcionários públicos foram demitidos e o pai de Nanette também foi demitido. Durante o tempo de colégio Nanette conheceu Anne Frank a qual também assim como muitas pessoas desaparecera um dia. 

No fim de setembro de 1943, a família de Nanette fora capturada e levada para Westerbork, um campo de transição situado no nordeste da Holanda. Esse campo de Westerbork fora construído pelo governo da Holanda para receber os judeus refugiados da Alemanha. Dali os judeus seriam deportados para os campos de extermínio. 

Nanette nessa época com 14 anos e seu irmão com 16 começara a vivenciar os sofrimentos como banhos em duchas de água fria e falta de conforto até que meses depois toda a família fora levada para um outro campo de concentração em Bergen-Belsen, um lugar controlado pelos nazistas. 

A SS foi criada em 1925 com o objetivo de ser uma tropa de elite responsável pela proteção de Adolf Hitler. Dessa maneira a SS passou a comandar os campos de concentração no ano de 1939, em seguida os campos de extermínio, em 1941. 

Em Bergen-Belsen havia muitas construções com barracas cercadas por arames farpados. Foi construído o campo de Dachau na Alemanha onde eram levados ciganos, homossexuais e judeus. 

Em 1941 as tropas alemãs invadiram o território soviético comandado por Josef Stalin. Na Polônia foram criados os campos de extermínio com a câmera de gás que inicialmente os prisioneiros eram mortos com monóxido de carbono e mais tarde para ficar mais eficiente com o gás Cyklon B, que em forma de comprimido tornava-se letal ao entrar em contato com o ar. 

As pessoas estavam cada vez mais debilitadas. Havia muita fome e desnutrição entre os prisioneiros que dormiam em camas beliche forradas com palhas. Havia também muita sujeira e falta de higiêne, pois o local não comportava banheiros resultando em doenças como diarréia, Tifo. Também os judeus passavam muito frio, mas não havia compaixão por parte dos nazistas. 

Nanette assim como todos os prisioneiros estavam fora de todas as notícias pois não havia rádios, TVs, e nem jornais. Naquele ano de 1944 a guerra continuava a todo vapor: As tropas da potência do eixo, Alemanha, Itália e Japão estavam em combate ao longo de todo o território europeu, e também além dele, com as forças dos aliados, Estados Unidos, Reino Unido e União Soviética. Até o Brasil com seus “Praçinhas” haviam também aderido à guerra desembarcando na Itália para lutar ao lado dos aliados. Os deficientes físicos e mentais eram para Hitler um fardo para a sociedade e por isso foram executados pelos nazistas com a cooperação dos médicos alemães. 

Esse cenário se agravaria a partir do final de 1944. Esse ano foi um dos mais cruéis do Holocausto. O número de judeus mortos já alcançava a casa dos milhões. Um dia, no final de novembro de 1944, Nanette recebe a notícia de que seu pai havia morrido com um infarto fulminante. 

Também nesse período chegaria a Begen-Belsen uma das piores pessoas que já pisara naquele lugar: Josef Kramer, do partido nazista conhecido como “Besta de Belsen” e que controlava as câmeras de gás, com crueldade e frieza. Havia também uma mulher, “Irma Grese”, uma das guardas mais cruéis da SS durante o Holocausto. Tempos mais tarde ela fora condenada à forca pelas crueldades que cometia. Os prisioneiros morriam durante o dia e durante a noite. Era muito comum se ouvir o som das mortes, o último suspiro dos prisioneiros antes de morrerem. 

Em dezembro de 1944, o irmão de Nanette, Bernard fora transferido para outro campo de concentração na Alemanha. No dia seguinte Nanette sofrera outro baque: Sua mãe fora transferida para Magdeburgo para trabalhar exaustivamente em uma fábrica de componentes para aviões. 

Antes dos soviéticos chegarem, os nazistas fizeram de tudo para esconder muitas de suas barbáries e assassinatos. Uma das coisas que eles queriam esconder além das câmeras de gás eram os experimentos médicos desumanos em que resultavam muitas vezes em morte. Um deles era colocar tinta nos olhos dos prisioneiros para ver se mudavam de cor, assim como a esterilização dos judeus. 

Um dia Nanette reencontra Anne Frank que também estava em outra parte desse campo de concentração. Foi então quando Anne Frank escrevia seu diário: “O diário de Anne Frank”. O pai de Anne, Otto Frank, é o único das oito pessoas que sobrevive. Depois da sua morte, Anne torna-se famosa no mundo inteiro por causa do diário que escreveu quando ainda estava escondida. Anne Frank e sua mãe Margot também morreram devido à doença do Tifo. 

A libertação de Bergen-Belsen 

Em abril de 1945 as batalhas entre alemães e britânicos eram travadas nas proximidades de Bergen-Belsen. E foi assim que em 12 de abril dois membros das tropas alemãs estenderam a bandeira branca frente aos britânicos. Assim os britânicos chegaram para salvar os prisioneiros. A Alemanha havia perdido a guerra! 

Os britânicos ficaram chocados com o que viram: Corpos por todos os lados, pessoas que estavam mais mortas do que vivas e um cheiro de podridão insuportável. Esse campo ficou conhecido como “The Horror Camp” ou “O Campo do Horror”! 

Um dos soldados britânicos que estava participando da operação de libertação Bergen-Belsen foi o major Leonard Bernery. E foi à ele que Nanette recorreu para que ele mandasse uma carta aos seus parentes na Inglaterra avisando que ela estava salva. 

Quando tudo começou a melhorar nos cuidados com a higiêne e a saúde, Nanette acabou contraindo Tifo. Com isso ficou umas duas semanas inconsciente, em coma. Mas o destino a preservava viva! 

A guerra foi encerrada no dia 02 de setembro de 1945. Nos dias 06 e 09 de agosto o mundo ainda presenciaria o lançamento das bombas atômicas dos americanos sobre Hiroshima e Nagasaki, deixando uma destruição grande no local. 

No dia 22 de abril de 1945 os aliados enviaram um telegrama recomendando que os alemães protegessem Berlim. Hitler sabia que era tarde demais para qualquer tentativa que objetivasse evitar a derrota. Ele e sua mulher Eva Braun estavam escondidos em um bunker quando deram fim à própria vida em 30 de abril de 1945. Hitler deu um tiro na própria cabeça e sua mulher tomou veneno. Esse foi o desfecho do homem que liderou o maior massacre da história contra todos aqueles que não pertenciam a “Pura raça ariana”, segundo suas convicções. Foram mortos seis milhões de judeus durante a Segunda Guerra Mundial. 

E 24 de julho de 1945 Nanette estava de volta à Holanda. Apesar de ter ficado curada do Tifo Nanette ainda teria que lidar com outras doenças: Tuberculose e Pleurite. Por isso ficava muito tempo acamada. 

Depois Nanette descobrira por intermédio de um conhecido que sua mãe havia falecido e seu irmão também. Ela estava sozinha no mundo com apenas 16 anos. Depois de três anos, Nanette foi levada para morar com uma enfermeira (Que um dia havia cuidado do seu irmãozinho que morreu aos 4 anos devido a problemas cardíacos). 

Aos 20 anos Nanette foi morar com umas tias em Londres na Inglaterra. Fez um curso de secretariado e arrumou um emprego de secretária em um banco. Um dia Nanette foi à uma reunião sobre sionismo de encontro a outros jovens. 

E foi aí que ela conheceu John Konig, um rapaz também judeu. Como este já tinha parte da família imigrada para o Brasil ele também já tinha comprado passagem para o Brasil. Os dois então passaram a se corresponder por cartas por um tempo até que John a pediu em casamento. Nanette não pensou muito e foi tirar o visto para morar no Brasil; com isso eles se casaram em julho de 1953. 

Depois Nanette veio morar no Brasil em São Paulo onde tiveram uma filha, Elizabeth Helene. Mais tarde foram morar um tempo em Nova York nos Estados Unidos onde tiveram outra filha, Judith Marion e depois voltaram definitivamente para o Brasil onde tiveram o terceiro filho, Martin Joseph. 

Nanette Blitz Konig voltou a estudar, fazendo o curso de Economia e atualmente viaja por todo o Brasil ministrando diversas palestras em escolas e faculdades sobre o que ela viveu e sobre o Holocausto.

domingo, 2 de outubro de 2016

A intrusa (Júlia Lopes de Almeida)


O narrador, inicialmente, nos apresenta uma reunião em casa de Argemiro - representante do poder econômico, como o próprio nome sugere -, onde estão presentes o padre Assunção, o deputado Armindo Teles e Adolfo Caldas, diletante sem profissão definida. A conversa gira em torno da contratação de uma governanta, pois Argemiro, viúvo, quer ter o prazer da companhia de sua filha Maria, até então vivendo com os avós maternos, numa chácara distante. Tal solução de Argemiro suscita opiniões contrárias, porque "feia ou bonita a mulher é sempre perigosa". 

O dono da casa, vítima dos desmandos e desmazelos do ex-escravo Feliciano, cria da Baronesa sua sogra, mantém-se firme no propósito de entregar sua casa e sua filha aos cuidados de uma governanta, pois "uma casa sem mulher, afirmava ele, é um túmulo sem janelas: toda a vida está lá fora". 

Alice é a candidata que se apresenta aceitando as regras do jogo - cuidar de tudo mantendo-se invisível; para tentar calar as más línguas, Argemiro impõe a condição de jamais se encontrar com a governanta, impedindo dessa forma qualquer outro tipo de envolvimento. Viúvo, pretende se manter fiel à memória da falecida a quem prometeu, no leito de morte, jamais se casar novamente. 

Embora as regras do jogo sejam rigorosamente observadas, as más línguas, como é costume, não se calam, e, envolvido pela eficiência dos serviços prestados por Alice, ele acaba pedindo-a em casamento. Mas, até este desfecho feliz, ele será disputado pela Pedrosa, mulher de ministro, que o quer para genro, e pela Baronesa, que lhe cobra a promessa feita a sua filha. A Pedrosa - uma espécie de homem de saias, para o contexto da época - é quem constrói a carreira política do marido, que passivamente se deixa manobrar por ela. Diz o narrador, a propósito desta manipulação, que a Pedrosa "vingava-se do destino a ter feito mulher". 

A autora tem, portanto, consciência da perversidade do "destino de mulher", embora reconheça que nada pode ser feito para mudá-lo; ela denuncia também, de forma bastante romântica, as manobras usuais para garantir "bons" casamentos, deixando de lado as razões do coração. A filha da Pedrosa, vexada, se nega a ser objeto de transação e acaba encontrando seu príncipe encantado. O tratamento dado à Baronesa, como representante da aristocracia decadente, é primoroso; a descrição desta personagem - "cabelos completamente brancos", "faces flácidas", "carne do pescoço descaída" - dá a medida do declínio de uma classe e de seu desespero diante da perda do poder. 

Alice representa para a Baronesa a intrusa, a que veio para se apoderar de todos os seus bens, levando Argemiro a romper com a promessa feita. Ela tenta evitar o desastre, recorrendo a uma cartomante e se aliando a Feliciano, para quem Alice representava também um enorme prejuízo; antes, ele dispunha de liberdade e intimidade com as coisas do patrão, valendo-se, indevidamente, desses poderes. Alice é a intrusa que vai, através do trabalho eficiente, ameaçar sua "feliz" irresponsabilidade. 

As manobras empregadas pela Baronesa não só a tornam mais vulnerável como anulam sua antiga dignidade; no afã de não perder o prestígio, ela causa pena e repulsa ao mesmo tempo. O único personagem que se mantém a seu lado, com exceção do marido - agora velho e alienado - é o padre Assunção, elemento importante na trama romanesca, uma vez que se deve a ele a descoberta do passado de Alice. Filha de advogado e neta de general, sozinha no mundo e responsável por um casal de antigos empregados, ela, sem recursos, mas com boa instrução, faz do trabalho o caminho de ascensão social; estávamos, então, ainda sob o impacto da Proclamação da República e das transformações sociais dela decorrentes. 

Com a queda da monarquia e o fim da escravidão, o trabalho passa a ser o caminho trilhado pelas classes emergentes na busca de um lugar ao sol. Maria, filha de Argemiro, vai passar das mãos descuidadas da Baronesa para a orientação segura de Alice, que transforma a criança selvagem numa menina prendada a quem não faltam noções de caridade e amor ao próximo. O romance torna visível o problema da educação da mulher, corrigindo atrasos correntes na época. Para a Baronesa, a neta não precisa de instrução, pois nasceu para ser amada e isto deve bastar para sua felicidade. Argemiro se opõe a esta visão retrógrada, exigindo algo mais para sua filha sem, no entanto, ultrapassar os limites impostos à mulher pelo sistema. A atuação pedagógica de Alice sobre Maria é, como tudo o mais, eficiente, enquadrando a menina no padrão de instrução exigido na época: conhecimentos de francês, música, decoração do lar e, sobretudo, a descoberta do outro, numa expansão bem "feminina" da dádiva pessoal. 

O padre Assunção é um elemento importante no processo educativo de Maria; companheiro de juventude de Argemiro, decidiu-se pelo seminário quando o amigo declarou sua intenção de casar-se com a mulher que ele amava. Ficou sendo seu confessor e ocupou-se da menina Maria como se fosse sua filha... Ao final da narrativa, ele e a Baronesa se consolam mutuamente da perda do poder. Com relação à Igreja, representada pelo padre Assunção, a narrativa não se define, pois ele, apesar de aliado da nobreza, é quem defende Alice, revelando suas virtudes, sobretudo cristãs. É um personagem ambíguo que enriquece a narrativa com várias possibilidades. 

Mas a grande incógnita é Alice, narrada por todos e sem voz própria. Ela se apresenta toda coberta, no ato do contrato de serviço, a ponto de Argemiro não saber como ela é; só fica clara sua condição humilde e carente através da postura e dos sapatos cambados. Poucas são as palavras trocadas entre os dois; diálogo só retomado no final, quando Alice vai prestar contas. O que se sabe dela é dito pelos demais personagens, através de juízos desencontrados, o que confere uma certa ambiguidade à personagem. O fato de ela conquistar Argemiro pelos serviços prestados faz do trabalho um caminho eficiente de ascensão social e do casamento um meio lícito de enriquecimento. Mas o romance ameniza este materialismo de transação matrimonial, revelando, através dos pensamentos de Argemiro, seu envolvimento com aquela sensação prazerosa que uma casa bem administrada proporciona. 

A casa de Argemiro então se transforma sob os cuidados de Alice, que, desta forma, conquista o poder econômico. Julgada perigosa por quase todos, intrusa pela nobreza e indesejável pelo ex-escravo, ela passa de governanta a dona-de-casa, ganhando um marido pelos serviços prestados...


Sobre o livro: 

Júlia Lopes de Almeida, com sua apologia do trabalho, aponta para a mulher um caminho eficiente para a realização de suas ambições, que, no âmbito restrito da época, se reduziam a ser mãe, esposa e dona-de-casa. Desta forma, ela reduplica o discurso dominante, apesar da consciência desta dominação; é o "destino de mulher", apontado criticamente por Simone de Beauvoir e questionado por Clarice Lispector, em Laços de família. 

Elaine Showalter, autora de vários trabalhos de teoria crítica feminista, ao estudar o romance inglês de autoria feminina, divide-o em etapas, tomando como ponto de referência a cultura dominante: feminine, feminist e female correspondem a três momentos desta literatura que se inicia com a imitação da tradição dominante (feminine) e termina com a busca da identidade (female), passando pelo momento do questionamento desses valores (feminist). Sem se constituírem em categorias rígidas, nitidamente separadas, esses conceitos, devidamente trabalhados, são úteis para a compreensão da literatura de autoria feminina. 

O caso de Júlia Lopes de Almeida inclui-se no que Elaine Showalter chama de feminine, pois sua obra faz, como a de outras escritoras da época, a apologia das rainhas do lar. O universo ficcional por ela representado está repleto de mulheres que se redimem (ex.: A falência) e se realizam (ex.: Correio da roça), através do trabalho, mas de um trabalho doméstico que não ultrapassa a horta e o jardim.

domingo, 21 de agosto de 2016

A Revolução dos Bichos (George Orwell)


A Revolução dos Bichos (George Orwell) A Revolução dos Bichos, de George Orwell, se passa numa granja liderada, inicialmente, pelo Sr. Jones. Porém, insatisfeitos com a dominação e exploração e liderados pelo Porco Major, os animais decidem fazer uma revolução. Assim, o inimigo seria aquele que anda sobre duas pernas. Os animais se organizam e expulsam Sr. Jones da granja, pois não queriam mais ser tratados como escravos dos humanos. Os porcos passam a liderar a granja, considerando-se os animais mais inteligentes. 

Os ensinamentos do Porco Major, denominados de Animismo, passam a predominar, mesmo após sua morte. Na granja, todos os animais são iguais entre si. Porém, “uns são mais iguais que outros”. Dessa forma, os porcos aprenderam a ler e escrever e tornam-se os líderes da granja. O porco Bola de neve tem o plano de construir um moinho. Napoleão é contra. Há uma eleição do líder da granja, e apesar da maioria ser a favor de Bola de Neve, Napoleão arma um plano certeiro para que Bola de Neve seja expulso da granja e taxado de traidor. 

Protegido por cães ameaçadores, Napoleão lidera a granja de uma maneira ditadora; constrói o moinho, e há economia de comida, os animais trabalham várias horas seguidas. Começa uma nova escravidão, onde agora os animais são explorados pelos porcos. Para a construção do moinho, são necessários materiais que não podem ser produzidos na granja, e com isso, Napoleão começa um contato comercial com humanos, por intermédio de seu advogado, Sr. Whymper. Nesse momento, os porcos se mudam para a casa grande, onde o Sr. Jones vivia, apesar de anteriormente ser proibido. Segundo eles, era necessário um local onde pudessem repousar, já que, por serem muito inteligentes, faziam muito esforço para governar a granja. Os porcos eram extremamente persuasivos. Garganta era braço direito de Napoleão e andava pela granja defendendo seu “mestre”. 

Acontece uma tempestade e o moinho de vento é derrubado; a culpa cai sobre Bola de Neve. Os animais passam a racionar ainda mais a comida. Mesmo assim, Napoleão passa para os humanos a impressão de haver muita comida. Assim, vai se concretizando a República dos Bichos. Porém, alguns animais começam a questionar que a vida estava pior do que na época do Sr. Jones; estavam trabalhando mais, comendo menos, e os mandamentos feitos no começo da Revolução não estavam sendo cumpridos. Esses animais questionadores foram acusados de serem cúmplices de Bola de Neve e, ao se entregarem, foram mortos. 

Frederick e seus homens invadem a granja e explodem o moinho. Os animais, revoltados com mais uma vez a destruição do moinho, enfrentam e expulsam os homens. Mais uma vez os animais trabalham demais, sem comida. Sansão, muito trabalhador, adoece e Garganta diz que virão buscá-lo para um tratamento fora da granja. Um carro vem buscá-lo e os animais percebem que era um carroção do matadouro através do letreiro do carro. Porém, Garganta dá uma desculpa, os animais aceitam, e Sansão nunca mais aparece. 

Pouco a pouco os animais que viveram a época do Sr. Jones foram morrendo, e foi se esquecendo como era antes da Revolução. Como um irônico desfecho, os porcos aparecem andando sobre duas patas, contrariando um dos mandamentos do início da Revolução, onde “quatro patas bom, duas patas ruim”. E, finalmente, os porcos unem-se definitivamente aos humanos.

terça-feira, 2 de agosto de 2016

O Rouxinol (Kristin Hannah)


“O Rouxinol”, narra a história de Vianne Mauriac e sua irmã Isabelle Rossignol. O pai destas meninas servira durante a Primeira Guerra Mundial e voltara dos campos de batalha destruído física e emocionalmente. Algum tempo depois a Sra. Rossignol acabara falecendo, o que desestruturara a família completamente. Vianne e Isabelle foram abandonadas aos cuidados de uma mau humorada senhora que cuidava de uma grande casa e ela estava na família a gerações e desde este instante a felicidade foi um assunto quase esquecido pelas irmãs Rossignol. 

Aos 16 anos Vianne construira sua família ao lado do marido Antonie, saindo do julgo do pai, mas Isabelle percebera logo que naquela nova família não teria espaço para ela, indo de internato em internato, de fuga em fuga. 

Anos depois, já adultas, essas garotas se veem novamente vivendo a dura realidade da guerra. Isabelle completa dezoito anos no estopim da Segunda Guerra. 

Quando a França fora invadida, os nazistas começaram a tomar conta das cidades e o Holocausto começara a se espalhar por toda a Europa. Vianne se via em difíceis situações onde teria que escolher entre salvar sua família ou enfrentar o inimigo. Seu marido fora recrutado para servir durante a guerra e sua pequena filha dependia totalmente dela para sobreviver. 

Já Isabelle, essa jovem rebelde e contestadora, decidira que não abaixaria a cabeça aos intrusos que estariam tirando tudo de sua família, amigos e de todos os franceses. 

*** 

França, 1939: No pequeno vilarejo de Carriveau, Vianne Mauriac se despedira do marido, que rumara para o fronte. Vianne, dona de uma propriedade grande e com uma bela e saudável horta, via seu marido partir, sua casa ser saqueada e dominada por um alemão e sua filha crescer com fome e dor. Vianne não acreditava que os nazistas invadiriam o país, mas logo eles chegaram em hordas de soldados em marcha, caravanas de caminhões e tanques, aviões que escureciam os céus e despejando bombas sobre os inocentes. 

Quando o país fora tomado, um oficial das tropas de Hitler requisitara a casa de Vianne, e ela e a filha foram forçadas a conviver com o inimigo ou perderiam tudo. De repente, todos os seus movimentos passaram a ser vigiados e Vianne fora obrigada a fazer escolhas impossíveis, uma após a outra, e colaborar com os invasores para manter sua família viva. 

Já Isabelle, irmã de Vianne é uma garota contestadora que leva a vida com o furor e a paixão típicos da juventude. Isabelle não resiste ao abuso da Alemanha e se afilia ao partido comunista, mergulhando em perigosas missões que buscavam diminuir a força do governo alemão. Enquanto milhares de parisienses fugiam dos terrores da guerra, ela se apaixonara por um guerrilheiro e decidira se juntar à “Resistência”, arriscando sua vida para salvar os outros e libertar seu país. 

Com isto, as duas irmãs se afastaram por discordarem sobre a ameaça da ocupação nazista. Com temperamentos e princípios divergentes, cada uma delas precisava encontrar o próprio caminho e enfrentarem questões morais, e escolhas de vida ou morte. 

Durante o período da guerra os franceses viram seus homens partirem para guerra, seus recursos naturais serem esgotados, suas casas serem invadidas, seus bens serem saqueados, e suas mulheres e crianças morrerem de fome ou serem abusadas das piores formas possíveis. Durante a guerra muitas pessoas morreram por serem diferentes, por passarem fome, por expressarem sua fé, por lutarem pelo próximo, ou por simplesmente serem mulheres. 

E as irmãs Vianne e Isabelle passaram por tudo isso: roubo, separação, abuso, fome, perdas. Elas passaram anos em uma guerra e experimentaram formas dolorosas de amadurecer e vencer as dificuldades da vida.

quarta-feira, 20 de julho de 2016

O Senhor dos Anéis VI (J. R. R. Tolkien)


Os resumos foram gentilmente cedidos por Janez Brank (http://www.brank.org/tolksumm/ ), traduzidos do inglês por Luciano Soares e revisados por Imrahil, do site Valinor (http://www.valinor.com.br ) 

Livro VI 

Capítulo 1: A Torre de Cirith Ungol: Sam está firmemente decidido a resgatar Frodo, e precisa encontrar uma entrada para a torre de Cirith Ungol, para onde seu mestre foi levado. Ele escuta sons de luta vindo da torre, e dois orcs são feridos com flechas numa tentativa de fugir; aparentemente, as duas companhias orc estão brigando pelos pertences de Frodo. A entrada principal da Torre é guardada pelos Dois Sentinelas, horríveis criaturas semelhantes a estátuas cheias de grande malícia, que não se movem mas parecem estar cientes do que se passa a seu redor. Sam ergue o Frasco de Galadriel, e consegue atravessar o portão. Quase todos os orcs foram mortos na luta; um pequeno orc encontra Sam nas escadas, mas foge de medo. Sam o segue e escuta uma conversa entre ele e Shagrat que, embora, ferido, também parece ter sobrevivido à luta. Os dois orcs começam a discutir e Snaga, o orc pequeno, escapa; Shagrat sai para buscar ajuda. Sam procura por Frodo e começaa a cantar; ele ouve uma resposta à sua canção, seguida pela voz de Snaga. Frodo estava preso na câmara mais alta da torre, acessível somente por uma escada que passava por um alçapão. Sam sobe e ataca Snaga, que cai da escada e quebra o pescoço. Então Sam e Frodo preparam-se para partir; Sam traz algumas roupas de orc para Frodo que foi deixado nu pelos orcs]. Usando o Frasco, eles passam novamente pelos Sentinelas, mas as criaturas soltam um horrendo grito, que é respondido por um nazgûl voando na escuridão acima deles. 

Capítulo 2: A Terra da Sombra: Sam e Frodo evitam ser descobertos a duras penas e viajam para o norte por alguns dias. Eles são atormentados pela falta de comida e água, e o Anel está se tornando um fardo cada vez maior para Frodo. A planície abaixo deles está cheia dos exércitos de Sauron, e Frodo pretende tentar atravessá-la no lugar onde ela é mais estreita. Escondidos num arbusto, eles ouvem a conversa de dois orcs e descobrem que Gollum ainda os está seguindo; numa noite, Sam também o vê espionando. A planície ainda está repleta de orcs, e os hobbits não tem outra alternativa a não ser seguir a estrada ao longo das encostas íngremes do Morgai. Lá eles são alcançados por um grupo de pequenos orcs sendo levados por dois grandes Uruks para Udûn, onde os exércitos de Sauron estão se reunindo. Os Uruks pensam que Sam e Frodo são orcs desertores, e os forçam a se juntar à companhia. Felizmente, entretanto, quando o exército se aproxima da entrada estreita para Udûn, confusão e luta explodem entre diferentes companhias orc, e os hobbits conseguem escapar sem serem notados. 

Capítulo 3: A Montanha da Perdição: Os hobbits seguem uma estrada orc por vários dias, viajando na direção da Montanha da Perdição. Dessa forma eles são capazes de fazer muito mais progressos do que através da região estéril, cheia de rochas e fendas; e há alguns poços com água ao longo da estrada. Mas finalmente eles têm que deixar a estrada e virar diretamente para a Montanha. Para aliviar seu caminho, eles deixam para trás todos os pertences que provavelmente não mais usariam. Eles alcançam Orodruin com mais dois dias de viagem, e quase ficam sem comida e água. No dia seguinte eles deveriam começar a subir, mas Sam tem que carregar Frodo, que [atormentado pelo crescente fardo do Anel] está completamente exausto. Perto do topo eles são atacados por Gollum, mas ele também está enfraquecido pela fome e Frodo escapa na direção das Sammath Naur, as Câmaras de Fogo. Gollum implora clemência a Sam [que ainda está armado com Ferroada], e Sam ordena que ele vá embora. Nas Câmaras de Fogo, contudo, Frodo é finalmente sobrepujado pelo poder do Anel e o reivindica para si. Gollum se aproxima e o ataca de novo, e arranca com os dentes o dedo em que está o Anel; então, saltando de alegria por ter recuperado seu Precioso, ele cai dentro do Fogo. Frodo [agora libertado de sua dor] e Sam saem e vêem que o reino de Sauron entrou em colapso. 

Capítulo 4: O Campo de Cormallen: As águias, lideradas por seu senhor, Gwaihir, juntam-se à batalha dos Capitões do Oeste contra as hostes de Mordor. Nesse exato momento o Anel cai no fogo de Orodruin: o Portão Negro desaba, o espírito de Sauron é destruído e as forças de Mordor, desprovidas do Poder que as controlava, se desesperam, e muitos fogem ou imploram misericórdia. Gwaihir, acompanhado por outras duas águias, leva Gandalf até a Montanha da Perdição, onde eles resgatam Frodo e Sam. Os dois hobbits despertam vários dias mais tarde e são grandemente honrados pelo exército do Oeste no campo de Cormallen, em Ithilien. Eles ficam em Ithilien por muitos dias alegres, contando e ouvindo histórias sobre suas aventuras com seus amigos, até que finalmente todo o exército sobe a bordo dos navios e parte para Minas Tirith. 

Capítulo 5: O Regente e o Rei: Enquanto isso, Éowyn e Faramir ainda estão nas Casas de Cura recuperando-se de seus ferimentos. Éowyn está infeliz por ter que passar seu tempo em inatividade, e deseja uma morte gloriosa em batalha [ela também desejava o amor de Aragorn, mas recebeu dele apenas compaixão e compreensão]. Ela conhece Faramir [que, apesar de também ser forte e corajoso, está esperando ser curado pacientemente. As águias trazem notícias da vitória. Faramir e Éowyn passam muito tempo juntos, e acabam se apaixonando. Dessa forma, Éowyn é curada. O exército do Oeste retorna à Cidade e Aragorn é coroado como Rei Elessar. Ele declara que Faramir receberá Ithilien como principado, e que ele e seus herdeiros continuarão a ser Regentes. Os companheiros passam muitos dias em Minas Tirith, e parece que Aragorn ainda está esperando por alguma espécie de sinal. Certo dia, ele e Gandalf sobem por uma trilha na montanha e lá, num antigo santuário dos reis, encontram uma muda da Árvore Branca, que é plantada no pátio do rei. Alguns dias depois, uma grande companhia de elfos chega do Norte, incluindo Galadriel, Elrond e Arwen. Elrond dá a Aragorn o Cetro de Annúminas, e Aragorn casa-se com Arwen no solstício de verão. 

Capítulo 6: Muitas Despedidas: Arwen dá permissão a Frodo para ir aos Portos Cinzentos no lugar dela, pois por seu casamento com Aragorn ela escolhera se tornar mortal. Éomer e Gimli resolvem sua disputa a respeito da beleza de Galadriel. Finalmente uma grande companhia parte de Minas Tirith, levando o corpo do Rei Théoden para Rohan. Depois do enterro, Éomer anuncia o casamento de Faramir e Éowyn. Então eles vão para Isengard, e lá encontram Barbárvore. Gimli e Legolas visitam as Cavernas Cintilantes do Abismo de Helm e a Floresta de Fangorn, e se despedem da companhia, partindo para seus próprios lares no Norte. Pouco depois Aragorn os deixa também, voltando para Minas Tirith. O resto da companhia continua a viagem, e alcança Saruman [que agora está vagando como um mendigo, acompanhado por Gríma]. O povo de Lórien deixa a companhia em Eregion, perto dos portões de Moria. Agora os viajantes vão para Valfenda, e lá os hobbits encontram Bilbo e passam muitos dias com ele. Finalmente eles decidem voltar para o Condado, e para a alegria deles Gandalf decide acompanhá-los, pelos menos até Bri. 

Capítulo 7: De volta para Casa: Frodo sente novamente a dor em seu ombro, pois faz um ano desde que ele foi ferido. Contudo, ela passa rapidamente, e depois de mais alguns dias eles alcançam Bri. Eles são recebidos calorosamente pelo velho Carrapicho, e conversam com ele por muito tempo contando suas aventuras. Carrapicho conta que seus negócios andavam ruins, com muitos estranhos e criaturas más rondando Bri; e ele fica contente ao ouvir que o Rei reaparecera. Bill, o pônei, também voltou para Bri, e é devolvido a Sam. A companhia fica na estalagem por dois dias, e depois parte para o Condado. Gandalf deixa os hobbits, pois ele pretende visitar Tom Bombadil; e ele aconselha os hobbits a se apressarem, insinuando que as coisas poderiam estar erradas no Condado. 

Capítulo 8: O Expurgo do Condado: Os quatro hobbits chegam ao Condado, e descobrem que muitas coisas realmente mudaram: a Ponte do Brandevin é guardada por vários Condestáveis, que lhes negam passagem. Parece que Lotho Sacola-Bolseiro apossou-se do Condado, chamando a si mesmo de "Chefe" e impondo um grande número de Regras injustas. O Condado está cheio de rufiões [como Bill Samambaia, que está na Ponte], sendo que muitos deles são isengardenses vesgos; e tem acontecido muitos incêndios e destruição sem sentido. Os viajantes entram [contra as Regras] e passam uma noite na casa dos Condestáveis; no dia seguinte eles encontram um grupo de Condestáveis em Sapântano e outro de rufiões na Vila dos Hobbits, mas ambos não conseguem prendê-los, estando surpresos e assustados por encontrar quatro hobbits destemidos e bem-armados. Com a ajuda do Fazendeiro Villa, os amigos começam uma revolta contra os opressores; primeiro um pequeno grupo de rufiões tenta abafar a rebelião, mas eles acabam se rendendo por estarem em menor número. Pippin traz um grande número de Tûks, e juntos eles derrotam o ataque seguinte dos rufiões. Então um grupo de hobbits, liderado por Frodo, vai para o Bolsão com a intenção de achar Lotho. Ao invés disso eles encontram Saruman, que havia organizado toda a destruição; eles ordenam que o mago saia, e Língua de Cobra [que parece ter assassinado Lotho por ordem de Saruman] em raiva e desespero mata seu mestre, e é então atingido por três arqueiros hobbits. Isso marca o fim da Guerra do Anel. 

Capítulo 9: Os Portos Cinzentos: Esses eventos turbulentos são seguidos por um ano esplêndido, próspero e feliz. Todo o Condado está ocupado reparando os desastres causados pelos rufiões de Saruman. Sam lembra-se do presente de Galadriel e descobre que a caixa contém uma estranha poeira e uma única semente prateada. Ele usa a poeira para plantar árvores por todo o Condado, e planta a castanha prateada no Campo da Festa na Vila dos Hobbits; e dela nasce um lindo mallorn. Sam casa-se com Rosinha Villa; Frodo volta para o Bolsão, e Sam e Rosinha vão viver lá também. No ano seguinte a primeira filha deles, Elanor, nasce. Nos aniversários dos eventos no Topo dos Ventos e em Cirith Ungol, os antigos ferimentos de Frodo doem novamente. Em setembro, como o aniversário de Bilbo está se aproximando, Frodo e Sam partem de novo [para Valfenda, como pensa Sam; embora ele não pretenda fazer a viagem toda]. Contudo, nas matas do Condado eles encontram um grande número de elfos, incluindo Elrond e Galadriel; Bilbo está também entre eles. Finalmente Sam percebe que Frodo pretende ir aos Portos Cinzentos, para atravessar o Mar em companhia dos elfos e de Bilbo. Nos Portos Círdan, o Armador e Gandalf os esperam; Gandalf também partirá no navio. Ele trouxe consigo Merry e Pippin, para que Sam não estivesse sozinho no caminho para casa. Assim, o navio élfico deixa a Terra-média, e os três hobbits retornam ao Condado.

O Senhor dos Anéis V (J. R. R. Tolkien)


Os resumos foram gentilmente cedidos por Janez Brank (http://www.brank.org/tolksumm/ ), traduzidos do inglês por Luciano Soares e revisados por Imrahil, do site Valinor (http://www.valinor.com.br ) 

Livro V 

Capítulo 1: Minas Tirith: Depois de uma longa e rápida viagem, Gandalf e Pippin chegam à grande cidade de Minas Tirith nas primeiras horas da manhã, e têm uma audiência com Denethor, o Senhor e Regente de Gondor e pai de Boromir e Faramir. Denethor é um homem de grande poder e linhagem, capaz de perceber muito do que se esconde atrás das palavras de alguém. Pippin conta sobre a jornada deles, e sobre Boromir, e faz um juramento de fidelidade a Gondor. Depois da audiência, Gandalf vai tratar de assuntos urgentes e Pippin sai para explorar a Cidade. Ele conhece Beregond, um soldado da guarda da cidade, que foi mandado para lhe fazer companhia por algum tempo. Eles conversam sobre Gondor e seus costumes, sobre a viagem de Pippin e as terras distantes que ele viu, e sobre a guerra que se aproxima, na qual Gondor não parece ter esperança alguma. Mais tarde, quando Beregond precisa cuidar de seus deveres, Pippin vai ao encontro do filho dele, Bergil, e juntos eles vão para os portões da cidade para ver a chegada dos exércitos de Gondor, que irão fortalecer a defesa de Minas Tirith. No começo da noite Pippin retorna a seus aposentos, e de madrugada Gandalf também volta, parecendo muito preocupado. 

Capítulo 2: A Passagem da Companhia Cinzenta: Logo depois da partida de Gandalf, a companhia do rei Théoden é alcançada por um grupo de Guardiões do Norte, parentes de Aragorn, acompanhados por Elladan e Elrohir, os filhos de Elrond. Eles cavalgam juntos para o Abismo de Helm, onde Aragorn olha para o palantír e o tira do controle da mente de Sauron. Ele decide ir tão rápido quanto possível para Gondor, tomando as aterrorizantes Sendas dos Mortos, acompanhado por Legolas, Gimli, os filhos de Elrond e os Dúnedain. Levará vários dias para que Théoden [com quem Merry permanece como escudeiro] consiga concentrar as tropas de Rohan; enquanto isso, Aragorn e seus companheiros cavalgam na direção de Edoras e do Templo da Colina. Lá Éowyn quer se juntar a eles, mas Aragorn não o permite, dizendo que apenas Théoden poderia liberá-la de seu dever. Na manhã seguinte a companhia adentra as Sendas dos Mortos: uma espécie de túnel que leva ao outro lado das montanhas, ao sul de Rohan. Os "Mortos" são as sombras de um povo antigo que quebrou seu juramento a Isildur, e Isildur os amaldiçoou a não ter paz enquanto o juramento não fosse cumprido. Aragorn, sendo o herdeiro de Isildur, convoca-os para ajudá-lo na guerra, para que dessa forma cumpram seu juramento. A companhia, seguida por um grande exército das sombras dos Mortos, cavalga para o leste, na direção de Pelargir. 

Capítulo 3: A Concentração das Tropas de Rohan: Enquanto isso, Théoden e seu exército cavalgam para o Templo da Colina, onde o exército de Rohan está se reunindo. Éowyn os espera, e conta que Aragorn foi para as Sendas dos Mortos; pouco se sabe sobre elas entre os rohirrim, apenas algumas lendas assustadoras, e eles têm certeza de que Aragorn nunca mais será visto. Um mensageiro de Gondor chega, trazendo um aviso de Denethor sobre o perigo em que está Minas Tirith, e pedindo aos rohirrim [que têm sido aliados de Gondor por séculos] que o ajudem na guerra. Théoden se prepara para partir no dia seguinte, pretendendo agora cruzar abertamente a planície, pois a grande nuvem de Mordor cobriu o céu inteiro com escuridão. Ele decide que Merry deve permanecer em Edoras, onde Éowyn irá liderar o povo até a volta do rei. Contudo, um jovem cavaleiro chamado Dernhelm diz em segredo a Merry que pode levá-lo em seu cavalo para Gondor, e Merry aceita a oferta prontamente. 

Capítulo 4: O Cerco de Gondor: Na manhã seguinte, quando a escuridão já tinha coberto o céu, Gandalf leva Pippin até Denethor, e Pippin recebe um uniforme da Torre. Mais tarde ele encontra Beregond e conversa por algum tempo com ele nas muralhas da cidade. Naquela mesma tarde Faramir retorna a Minas Tirith, mal escapando dos nazgûl alados que estavam perseguindo a ele e a alguns poucos companheiros. Pippin acompanha Gandalf e Faramir num encontro com Denethor; Faramir relata os eventos na fronteira e seu encontro com Frodo. Denethor não está contente com as ações de Faramir, e preferiria que o Anel tivesse sido trazido até ele. No dia seguinte, Faramir deixa a cidade outra vez para ajudar na defesa das passagens através do Anduin. Os defensores não conseguem resistir ao bem preparado ataque; entretanto, um dia mais tarde, sobreviventes recuam para a cidade, perseguidos pelos inimigos; Faramir é trazido para dentro por último, ferido por uma seta envenenada. Grande número de inimigos, liderados pelo próprio Capitão dos Espectros do Anel, se espalham em torno da cidade e iniciam um cerco, cavando trincheiras de fogo e preparando grandes máquinas de assalto. Denethor se descontrola ao ver Faramir mortalmente ferido, e abandona qualquer esperança e a defesa da cidade, enfurnando-se nas casas dos mortos, com intenção de incinerar a si próprio e a Faramir. Ele libera Pippin de seu serviço, e Pippin corre em busca de Gandalf, que ainda pode impedir Denethor de cometer alguma loucura. Enquanto isso, os inimigos atacam o portão da cidade com um grande aríete, e o destroem depois de várias tentativas. O Senhor dos nazgûl entra na cidade e é confrontado apenas por Gandalf; nesse mesmo momento, porém, os chifres de Rohan soam ao longe. 

Capítulo 5: A Cavalgada dos Rohirrim: O exército de Rohan cavalga rapidamente na direção de Gondor por quatro dias. Certa noite, Merry escuta Théoden e Éomer falando com Ghân-buri-Ghân, um líder dos Homens Selvagens dos bosques próximos. Orcs parecem ter barrado a estrada para Minas Tirith, e Ghân se oferece para mostrar um caminho há muito abandonado e desconhecido através da floresta. Dessa forma, eles chegam ao campo de Gondor sem oposição, pois todos os inimigos estão ocupados atacando os muros da cidade. No momento em que os exércitos de Mordor estão atacando os portões com seu grande aríete, Théoden sopra em seu chifre o sinal de ataque e os rohirrim entram na batalha. 

Capítulo 6: A Batalha dos Campos do Pelennor: Na primeira investida, Théoden mata um líder dos sulistas. Então o Capitão dos Espectros do Anel, cavalgando sua terrível criatura alada, desce perto de Théoden; o cavalo deste, enlouquecido pelo medo, cai de lado e esmaga o rei sob seu peso. Apenas Éowyn, que estava disfarçada como Dernhelm, fica ao lado de Théoden nesse momento. A coragem de Merry finalmente desperta e ele ataca o Espectro do Anel por trás, e Éowyn, com sua força derradeira, mata o rei dos Espectros. Antes de morrer, Théoden diz adeus a Merry, e saúda Éomer como o novo rei. Os defensores remanescentes de Minas Tirith saem da cidade para ajudar os rohirrim; o Príncipe Imrahil encontra os homens que carregam Théoden e Éowyn, e nota que ela ainda está viva, e chama os curadores. As forças de Rohan e Gondor estão lentamente perdendo a batalha com os enormes exércitos do Inimigo. Uma frota dos navios de Umbar sobe o Anduin, e para a surpresa de atacantes e defensores ela não traz os Corsários, inimigos de Gondor, mas Aragorn e seus companheiros, bem como os exércitos de Gondor meridional. Agora a batalha vira a favor do Oeste, e no fim do dia nenhum inimigo vivo resta no campo de batalha. 

Capítulo 7: A Pira de Denethor: Pippin encontra Gandalf e o leva até as Casas dos Mortos, para impedir que Denethor incinere a si próprio e a Faramir. Lá eles encontram Beregond [a quem Pippin havia avisado sobre a loucura de Denethor] lutando com os servos do Regente. Gandalf tenta convencer Denethor de que a hora e a maneira da morte de alguém não devem ser decididas por essa pessoa, e que seu dever é liderar a defesa da Cidade; mas Denethor acredita firmemente que o poder de Mordor é agora grande demais, e que tudo é sem esperança. Beregond o impede de matar Faramir; então Denethor agarra uma tocha e a joga no monte de lenha preparado ali, e se lança sobre a fogueira, e queima. Parece que um palantír, mantido secretamente na Torre Branca, foi a origem da loucura de Denethor, pois ele havia olhado nele longamente, e não vira nada além da reunião dos grandes exércitos de Mordor. Gandalf e Pippin levam Faramir para as Casas de Cura, embora ninguém saiba se ele será capaz de se recuperar. 

Capítulo 8: As Casas de Cura: Totalmente exausto, Merry havia seguido os que carregavam o corpo de Théoden, mas se perdera. Ele é finalmente encontrado por Pippin, e levado para as Casas de Cura. Lá Gandalf escuta uma velha mencionar a lenda de que as mãos de um rei são as mãos de um curador; e ele procura por Aragorn, que poderia ainda ter essa habilidade. Aragorn decide não reivindicar sua realeza até que a guerra com Mordor termine, mas ele entra na cidade para ajudar os feridos. Primeiro ele cuida de Faramir, Éowyn e Merry. Faramir foi atingido por uma flecha envenenada, mas principalmente foi afetada pelo "hálito negro" dos nazgûl; e Éowyn e Merry caíram na escuridão depois de enfrentar o Espectro do Anel. Aragorn os cura com uma erva chamada athelas e eles despertam, embora ainda tenham que descansar por vários dias. Ele e os filhos de Elrond trabalham nas Casas de Cura até a manhã do dia seguinte. 

Capítulo 9: O Último Debate: Na manhã seguinte, Legolas e Gimli entram na cidade e encontram o Príncipe Imrahil; então eles visitam Merry e Pippin nas Casas de Cura. Conversam sobre a passagem das Sendas dos Mortos: como eles cavalgaram por vários dias, e Aragorn convocou as sombras dos Mortos para lutar por ele, como eles capturaram a frota de Umbar em Pelargir, e como eles navegaram Anduin acima para se juntar à batalha do Pelennor. Enquanto isso, os capitães debatem: Gandalf, Aragorn, Imrahil, Éomer e os filhos de Elrond. Gandalf apresenta seu plano: cavalgar na direção do Portão Negro de Mordor, como se para desafiar Sauron à batalha, de maneira que ele esvazie Mordor e dirija toda a sua atenção para eles; isso aumentaria as chances de Frodo de alcançar o Orodruin e destruir o Anel. Pois, enquanto o Anel existir, a força de Sauron será grande demais para ser derrotada na guerra. O plano é aceito e um exército de sete mil homens se prepara para partir em dois dias. 

Capítulo 10: O Portão Negro se abre: O exército do Oeste marcha na direção dos portões de Mordor, e várias vezes por dia os arautos proclamam a vinda do Rei e desafiam as forças de Mordor. Alguns homens são destacados para guardar as Encruzilhadas, e mais tarde alguns sentem medo e voltam. Ninguém responde aos desafios, porém, exceto por um pequeno grupo de orcs e orientais que eles derrotam facilmente. Finalmente o exército chega ao Portão Negro de Mordor, e novamente desafia Sauron a sair e reparar suas ações malignas. Então uma embaixada aparece, liderado pela Boca de Sauron, um numenoreano corrompido que havia passado a servir Sauron e se tornara lugar-tenente de Barad-dûr e um poderoso feiticeiro. Ele declara que um espião hobbit fora capturado [e mostra as roupas de Frodo] e exige que os Capitães do Oeste cedam às ambições territoriais de Sauron, ou o espião será brutalmente torturado. Gandalf recusa esses termos, mas toma os pertences de Frodo; então a embaixada, em medo e raiva, retorna para o Portão. Finalmente Sauron põe sua armadilha em ação: os portões se abrem e um exército jorra de dentro, muitas vezes maior que o exército do Oeste. Nessa última defesa desesperada, Pippin mata um enorme troll das montanhas, mas cai inconsciente.

O Senhor dos Anéis IV (J. R. R. Tolkien)


Os resumos foram gentilmente cedidos por Janez Brank (http://www.brank.org/tolksumm/ ), traduzidos do inglês por Luciano Soares e revisados por Imrahil, do site Valinor (http://www.valinor.com.br ) 

Livro IV 

Capítulo 1: Sméagol Domado: A ação se volta para Frodo e Sam, que estão atravessando as colinas dos Emyn Muil, e sofrem com as paredes íngremes que os impedem de descer. Eles acham um lugar onde uma descida poderia ser possível, e Frodo tenta descer; um grito terrível atravessa o céu naquele momento [provavelmente de um dos nazgûl], e Frodo cai. Felizmente ele cai em uma saliência na rocha. Sam se lembra da corda que os elfos de Lórien lhe deram, e salva Frodo com ela; então ambos descem pela corda, e para a surpresa deles, conseguiram recuperá-la facilmente, como se não tivesse sido amarrada. Eles planejam passar a noite debaixo do precipício. Notam então Gollum, que os tinha seguido todo o tempo; ele escala facilmente, quase como uma aranha, mas cai na parte final da subida. Sam o ataca, e com a ajuda de Frodo eles forçam Gollum a prometer que os conduziria até Mordor. Logo depois Gollum tenta escapar, mas eles o pegam e descobrem que a corda élfica, com a qual eles quiseram amarrá-lo, o machuca muito. Ele jura pelo Anel que os obedeceria, e eles o desamarram. Um tempo depois, quando a lua estava no céu, eles partem novamente. 

Capítulo 2: A travessia dos pântanos: Os dois hobbits, conduzidos por Gollum, estão fazendo o seu caminho lentamente para os Portões Negros de Mordor. Já que atravessar por campo aberto, cheio de estradas orc, seria muito perigoso, Gollum os conduz ao longo de caminhos menos conhecidos pelas terras pantanosas. Eles cruzam os Pântanos Mortos, onde foram enterrados muitos guerreiros caídos durante a guerra entre a Última Aliança e o Senhor do Escuro no final da Segunda Era; agora luzes estranhas chamejam, e podem ser vistas horríveis faces de mortos debaixo da lama. Espectros do Anel voam freqüentemente sobre eles, aparentemente procurando o Anel e sentindo sua presença de alguma maneira; e o fardo do Anel sempre parece maior a Frodo conforme eles se aproximam de Mordor. Dentro de Gollum duas "personalidades" estão lutando pela dominação: o Sméagol bom, e o Gollum mau; e o desejo pelo anel parece estar vencendo novamente. Finalmente eles chegam às terras desoladas e estéreis diante de Mordor, e somente com o comando rígido de Frodo é que Gollum os guiará mais além. 

Capítulo 3: O Portão Negro está fechado: Os companheiros chegam ao Portão Negro de Mordor. O Portão é vigiado pelos Dentes de Mordor, duas torres altas erguidas há muito tempo pelos Homens de Gondor, mas depois abandonadas e então ocupadas pelas forças de Sauron. Também há muitas outras muralhas e números enormes de orcs; várias estradas conduzem ao portão, e numerosos exércitos do Leste e do Sul estão entrando em Mordor. Entrar em Mordor parece absolutamente impossível. Neste momento Gollum sugere outro caminho: ir para o sul na cidade fantasma de Minas Ithil, e então até a passagem de Cirith Ungol. Lá as chances de não serem notados são um pouco maiores; naquela direção Sauron conquistou terras até o Anduin, e sente-se mais seguro. Assim, não é provável que o lugar seja vigiado completamente. Gollum afirma ter escapado de Mordor ao longo daquele mesmo caminho; entretanto, parece provável que essa "fuga" era conhecida e aprovada pelo Senhor do Escuro. No entanto Frodo, depois de um pouco de hesitação, decide aceitar esse plano. 

Capítulo 4: De ervas e coelho cozido: Viajando para o sul, os hobbits alcançam Ithilien, que só foi conquistada recentemente pelo Senhor do Escuro, e não foi devastada nem maculada. Sam está cada vez mais preocupado com a comida: a única comida deles é lembas, que apenas durará até que eles alcançam Orodruin, e certamente não mais que isso. Assim, certo dia, enquanto eles descansam em uma floresta, Sam pede para Gollum que pegue algo comestível. Gollum pega um par de coelhos jovens e Sam prepara um ensopado. Porém, logo que eles terminam de comer , o fogo começa a fazer fumaça e o dois hobbits são rodeados por quatro soldados de Gondor, um deles sendo Faramir, o Capitão. Frodo explica algo sobre a sua missão, e Faramir parece muito interessado nisso; mas no momento ele deixa dois homens para os vigiar, e vai embora preparar-se para a batalha: os homens de Minas Tirith vieram a Ithilien para atacar exércitos que vieram de Harad, ao sul de Mordor, para se juntar às forças de Sauron. Sam vê uma coisa surpreendente durante esta batalha: um "olifante", um dos grandes animais cinzentos que só são conhecidos no Condado através de velhas canções.

Capítulo 5: A janela no oeste: Depois da batalha, Faramir [que é o irmão de Boromir] volta e questiona Frodo durante algum tempo; ele é no princípio um pouco desconfiado, e conta que tinha visto o barco com o corpo de Boromir flutuando no Anduin. Depois ele decide que Frodo e Sam deveriam vir com ele e seu exército a um refúgio escondido, uma caverna oculta atrás de uma cachoeira. Diferente de Boromir, que sempre buscou ganhar glória com sua coragem nas guerras, Faramir não é tão hostil e tem um maior respeito pelas coisas antigas e tradições [e pelos elfos]. Ele fala por muito tempo com os dois hobbits, e conta muito sobre Minas Tirith e as suas guerras, a história de Gondor, sua aliança com os rohirrim; Frodo descreve a viagem dos Nove Andantes, evitando o assunto do Anel cuidadosamente. Quando o assunto da conversa são os elfos e Lórien, Sam menciona o Anel acidentalmente. Aqui Faramir prova que ele é verdadeiro em suas palavras, e não tenta pegar ou mesmo ver o Anel. 

Capítulo 6: O lago proibido: Depois, naquela noite, Gollum aparece no lago perto da caverna, pegando peixes, sem saber do lugar escondido. As leis de Gondor requerem que qualquer um que chegar perto da caverna deve ser morto; mas Faramir desperta Frodo e lhe pergunta a opinião dele. Frodo explica que a criatura que eles viram era Gollum, e que ele os guiou, e que ele não deveria ser morto. Faramir não deixa Gollum vagar livremente sobre a área, e Frodo vai até o lago e convence Gollum a segui-lo. Dois dos guardas pegam-no e o levam para a caverna, vendado e amarrado. Faramir interroga Gollum, e Gollum jura que ele nunca voltará à caverna escondida. Então Faramir dá permissão a Frodo para andar livremente por Gondor, e o adverte, dizendo que Minas Morgul é um lugar mau e perigoso. 

Capítulo 7: Viagem às Encruzilhadas: Faramir dá a cada um dos hobbits um cajado e também algumas provisões, e então os hobbits e Gollum partem. Eles viajam para o sul durante dois dias e chegam perto da estrada das ruínas de Osgiliath para Minas Ithil. Gollum continua dizendo-lhes para se apressarem, enfatizando o perigo que estão correndo. Eles viram para o leste, para as Encruzilhadas, o cruzamento da estrada de Osgiliath e a estrada norte-sul. No dia seguinte a escuridão começa a emergir de Mordor; grandes nuvens cobrem o céu, e o dia é tão escuro quanto a noite. Eles alcançam as Encruzilhadas; uma grande estátua de pedra de um rei está lá. Sua cabeça estava derrubada, aparentemente cortada pelos servos de Sauron, e jazia no chão perto da estátua; o sol aparece detrás de uma nuvem escura e um de seus últimos raios brilha na cabeça como uma coroa, dando a Frodo esperança nova. 

Capítulo 8: As Escadas de Cirith Ungol: Os viajantes passam pela cidade de Minas Morgul, e Frodo sente que o Anel atraía-o na direção dela. Eles vêem um grande ajuntamento de exércitos da cidade, indo aparentemente em direção a Gondor, conduzido pelo Capitão dos Espectros do Anel. Então os hobbits e Gollum sobem uma escada longa e íngreme, seguida por outra, mais longa mas não tão íngreme. Eles decidem descansar durante algum tempo, e enquanto Frodo e Sam estão falando Gollum desaparece; ambos caem adormecidos, e Sam desperta para ver Gollum, que se agacha na direção de Frodo. Embora pareça que ele não teve nenhuma intenção má naquele momento, Sam está cheio de desconfiança. Ele desperta Frodo, que diz para Gollum partir livremente, como se os hobbits pudessem continuar sozinhos dali. Mas Gollum diz que eles não podem alcançar o topo da passagem por si próprios, e os três se preparam para continuar. 

Capítulo 9: A Toca de Laracna: Pouco tempo depois eles alcançam uma grande parede onde o caminho continua por um túnel. Um fedor terrivelmente asqueroso está vindo dali. O túnel é muito longo, e sobe sempre, com passagens laterais em alguns lugares. Os hobbits, enquanto caminham alguns passos atrás de Gollum, notam que o fedor está se tornando cada vez pior, até que eles alcançam uma passagem lateral de onde o cheiro desagradável parece estar vindo. Eles passam por ela, e o ar começa a melhorar; mas logo eles chegam a uma bifurcação do túnel principal. Gollum parece tê-los abandonado; eles tentam uma das passagens e descobrem que está bloqueada. Naquele momento eles notam os olhos de alguma criatura terrível atrás deles. Frodo se aproxima dela com o Frasco de Galadriel em uma mão e Ferroada na outra, e os olhos se retiram da luz. Os hobbits continuam depressa pelo túnel, mas acham a saída bloqueada por uma barreira que se mostra ser a teia de uma aranha gigantesca. Frodo corta a teia com a espada dele, e começa a correr para a passagem, que está distante só alguns passos. Sam vem atrás dele; contudo a criatura que eles viram no túnel faz o mesmo: Laracna, uma aranha enorme. Laracna surge de uma entrada lateral no túnel e começa a correr na direção de Frodo. Antes que Sam pudesse ajudá-lo é atacado por Gollum; depois de uma briga desesperada, Gollum foge. 

Capítulo 10: As Escolhas de Mestre: Samwise Sam corre e acha Laracna, que se agacha sobre o corpo de Frodo. Isto deixa Sam furioso, e ele ataca a aranha gigantesca; ele fere os olhos da criatura e corta uma de suas garras, mas ela coloca seu corpo enorme por cima dele e tenta esmagá-lo. Porém, Sam mantém sua espada erguida, e Laracna acaba recebendo um ferimento profundo com sua própria força. Ela então abandona os hobbits e foge. Sam tenta acordar Frodo, que não mostra nenhum sinal de vida. Sam se desespera e não pode decidir o que fazer; no fim das contas, sabendo que tudo pereceria se desistisse, ele decide continuar a Demanda, e toma consigo a espada de Frodo, o Frasco de Galadriel e o Anel. Depois de dar os primeiros passos, porém, ele ouve vozes de orcs que se aproximam, e coloca o Anel. Ele descobre que pode entender a língua dos orcs quando usa o Anel: parece que há duas companhias, uma da torre de vigia na passagem e uma de Minas Morgul. Eles levam o corpo de Frodo e atravessam um túnel; Sam os segue, e escutando os capitães orc ele descobre que Frodo provavelmente ainda está vivo, e que será preso, e não morto. A companhia de orcs atravessa portas grandes, que se fecham antes que Sam pudesse atravessá-las.

O Senhor dos Anéis III (J. R. R. Tolkien)


Os resumos foram gentilmente cedidos por Janez Brank (http://www.brank.org/tolksumm/ ), traduzidos do inglês por Luciano Soares e revisados por Imrahil, do site Valinor (http://www.valinor.com.br )

Livro III 

Capítulo 1: A Partida de Boromir: Aragorn segue o rastro de Frodo até o topo do Amon Hen; lá ele ouve o som da corneta de Boromir entre os gritos de muitos orcs, e ele corre para ajudá-lo. Mas Aragorn chega tarde demais: Boromir já está agonizando, e em suas últimas palavras ele conta para Aragorn sobre o ataque dele a Frodo e sobre a luta com os orcs, os quais levaram os hobbits como prisioneiros. Gimli e Legolas retornam logo depois, e juntos eles levam o corpo de Boromir em um barco e deixam-no flutuar rio abaixo. Eles também notam que um barco e a bagagem de Sam não estão mais ali, e concluem que Frodo e Sam devem ter cruzado o Rio e ido em direção a Mordor enquanto todos estavam procurando Frodo. Assim, parece improvável que os três companheiros ainda pudessem achá-los, e Aragorn decide que eles vão perseguir os orcs e tentar salvar Merry e Pippin. Eles começam a perseguição imediatamente e com maior velocidade, pois os orcs já ganharam uma vantagem de várias horas. 

Capítulo 2: Os Cavaleiros de Roha: Aragorn, Gimli e Legolas continuam a perseguição durante três dias, correndo com velocidade notável pela terra de Rohan, mas para o desânimo deles parece que os orcs quase não estão descansando, e a vantagem deles sempre é crescente. No quarto dia eles encontram uma companhia dos rohirrim, os homens de Rohan, conduzidos por Éomer, o Terceiro Marechal de Rohan e sobrinho de Théoden, o Rei de Rohan. Aragorn explica a eles o propósito da caçada, e Éomer conta que os Rohirrim atacaram e destruíram aquele grupo de Orcs dois dias atrás, e não acharam nenhum hobbit entre eles. Eles trocam algumas notícias, e Éomer fica impressionado com Aragorn e a viagem rápida que ele e os seus dois companheiros fizeram nos últimos dias. Ele lhes dá permissão para viajar por Rohan, e lhes dá cavalos excelentes. Aragorn, Gimli e Legolas continuam seguindo o rastro e chegam, naquela noite, ao local da batalha perto da grande floresta de Fangorn. Eles não acham nenhum rastro dos hobbits. Na mesma noite um homem velho aparece [e desaparece depressa] próximo ao acampamento deles, e todos os seus cavalos fogem; eles suspeitam que o homem venha a ser o feiticeiro mau Saruman. 

Capítulo 3: Os Uruk-hai: Enquanto isso, Pippin e Merry sofrem muito como cativos dos orcs. Estes estão sob ordens de não matar nenhum dos cativos; durante algum tempo, os Orcs os levam, mas eles são forçados a correr, e os Orcs lhes dão um liquido estranho e asqueroso que os fortalece durante algum tempo. O grupo consiste em tipos diferentes de orcs: pequenos das Montanhas Sombrias, alguns orcs de Mordor [conduzidos por Grishnákh] e os grandes Uruk-hai de Isengard, liderados por um capitão chamado Uglúk. Uma discussão surge sobre o destino dos prisioneiros, e Uglúk prevalece. Durante a noite, quando eles se aproximam de Fangorn, são cercados por um grupo dos Cavaleiros de Rohan. Os Cavaleiros acendem fogueiras e esperam o amanhecer antes do ataque final. À noite Grishnákh esperava achar o Anel com os hobbits; ele os leva e tenta escapar, mas é descoberto e morto pelos Cavaleiros. Os hobbits rastejam na floresta, desapercebidos na escuridão. Ao amanhecer os Cavaleiros atacam o acampamento orc e todos eles são mortos na batalha. 

Capítulo 4: Barbárvore: Merry e Pippin continuam seu caminho na floresta, e logo conhecem Barbárvore, o ent. Ents são criaturas estranhas, altas e muito velhas, cuja aparência se assemelha à das árvores. Eles falam sobre muitas coisas maravilhosas: os hobbits contam a Barbárvore sobre a viagem deles, e ele lhes fala sobre os ents, a história deles, e a Floresta de Fangorn. Os ents são ameaçados por Saruman, que envia orcs para destruir a floresta e as árvores. Barbárvore sente que é tempo de se fazer algo sobre isso, e ele convoca um Entebate, um reunião de ents, onde eles discutem esse assunto. Considerando que os Ents nunca são precipitados, a assembléia dura dois dias e duas noites, mas no fim eles decidem atacar Isengard [o anel de pedras no meio do qual esta a Torre de Orthanc, a habitação de Saruman]. Barbárvore leva os hobbits em sua marcha, e muitos ents se unem a ela. 

Capítulo 5: O Cavaleiro Branco: Na manhã seguinte, Aragorn, Legolas e Gimli procuram o local da batalha, e acham uma folha de mallorn e alguns miolos de lembas. Isso confirma a presença dos hobbits. Eles continuam a procura na floresta de Fangorn e alcançam a colina onde os hobbits tinham conhecido Barbárvore. Então eles encontram o velho que eles acreditavam ser Saruman, mas este revela ser Gandalf, que derrotou o Balrog e voltou mais forte do que nunca, usando uma roupa branca. Gandalf lhes conta algumas notícias, particularmente que o hobbits conheceram Barbárvore e que os ents estão indo em direção a Isengard; ele lhes aconselha a ir para Rohan e ajudar na guerra que está começando lá. Ele chama o seu cavalo, Scadufax, e ele vem também com os cavalos de Aragorn e Legolas, que o conheceram na noite anterior depois de terem fugido em pânico. Gandalf e os três companheiros rumam para Edoras, a corte de Théoden, o Rei de Rohan. 

Capítulo 6: O Rei do Palácio Dourado: Eles vão para Meduseld, o palácio do rei Théoden. Eles não são muito bem-vindos no princípio, e é exigido que eles deixem as armas do lado de fora antes de ver o rei. Théoden está sob a influência de seu conselheiro Gríma [também chamado Língua de Cobra] que o convenceu de que Gandalf é sempre um sinal de problemas se aproximando, e não deveria ser bem-vindo. Gandalf silencia Língua de Cobra com um raio mágico, e leva o rei para fora, no ar fresco e à luz do dia. Então Théoden percebe que, escutando os sussurros de Gríma, ele se sentia muito mais velho e mais fraco do que ele realmente era, e agora ele abre o seu coração ao conselho de Gandalf, ordenando que os Rohirrim deveriam se preparar para ir imediatamente para Isengard, enquanto os não capazes de entrar no exército deveriam se retirar aos refúgios das montanhas. Língua de Cobra contesta isso, mas Gandalf o revela como o espião de Saruman; Théoden lhe dá a escolha de se juntar à guerra ou partir para sempre, e Gríma parte. Então o rei dá presentes aos companheiros: ele presenteia Gandalf com Scadufax, e dá armaduras excelentes a Aragorn, Legolas e Gimli. Finalmente o exército parte, e Éowyn, a irmã de Éomer, é escolhida para governar o resto do povo de Rohan na ausência do rei. 

Capítulo 7: O Abismo de Helm: Gandalf vai para Isengard com a maior velocidade possível, enquanto o resto dos anfitriões vai para o Abismo de Helm, uma fortaleza; lá, na torre do Forte da Trombeta, a habitação de Erkenbrand, o mestre do Folde Ocidental, vários dos rohirrim daquela região já tinham buscado refúgio. O exército entra no Abismo de Helm e se prepara para a defesa; eles são atacados por um exército grande de orcs e homens selvagens da Terra Parda, e apesar de sua quantidade os defensores têm que se retirar para o Forte da Trombeta e para as cavernas do Abismo. No amanhecer do dia seguinte, porém, o exército dos rohirrim sai da fortaleza e os orcs espantados fogem diante disso. Ao mesmo tempo, Gandalf aparece, e também Erkenbrand e o seu exército; os orcs são cercados e empurrados para uma floresta recentemente crescida que é na verdade um exército de huorns [ents que tinham se tornado arvorescos], e nenhum sai vivo. 

Capítulo 8: A estrada para Isengard: Gandalf, Aragorn, Gimli, Legolas, Théoden, Éomer, e uma parte do exército dos rohirrim cavalgam para Isengard. Gimli conta para Legolas sobre a beleza das Cavernas do Abismo de Helm, e eles decidem que algum dia irão juntos e verão a Floresta de Fangorn e as Cavernas. A companhia viaja pela floresta dos Ents e passa por um grande montículo onde foram enterrados os rohirrim que tombaram nas batalhas. À noite eles vêem uma grande sombra que voa para Isengard. Finalmente eles alcançam o Anel de Isengard onde Saruman morou por muito tempo e transformou em uma grande fortaleza; mas agora ele foi derrotado e arruinado pelos ents. Nos portões eles encontram Merry e Pippin, desfrutando todos os confortos de comida, vinho e erva-de-fumo, e os dois levam Gandalf e Théoden para a parede do norte onde eles poderiam encontrar Barbárvore. 

Capítulo 9: Escombros e Destroços: Enquanto isso Aragorn, Legolas e Gimli ficam com os dois hobbits, que lhes falam sobre as suas aventuras com o rompimento da Sociedade do Anel: a viagem com os Orcs, o encontro com Barbárvore e o ataque dos ents em Isengard. Os ents não são muito afligidos por setas ou machados, e eles demoliram os portões e paredes de Isengard; não puderam danificar a torre de Orthanc, entretanto, e Saruman ficou encurralado lá. Os huorns formaram uma floresta ao redor de Isengard, onde todos os orcs pereceram. Os ents construíram represas e cavaram trincheiras, e dirigiram a água do rio Isen para Isengard, inundando as cavernas subterrâneas e sufocando as fornalhas de Saruman. Gandalf veio e pediu ajuda [daí a floresta miraculosamente crescida depois da batalha do Abismo de Helm]; e depois Língua de Cobra veio, fingindo ser um mensageiro de Théoden. Porém Barbárvore, a quem Gandalf tinha advertido contra Gríma, lhe deu uma escolha: entrar em Orthanc ou esperar pela vinda de Théoden. Língua de Cobra passou com dificuldade pela inundação e entrou na torre. 

Capítulo 10: A Voz de Saruman: Gandalf, Théoden, Éomer, Aragorn, Gimli e Legolas vão para os degraus de Orthanc para falar com Saruman, enquanto os outros esperam um pouco mais longe. Saruman tem uma voz poderosa, que pode persuadir muito facilmente. Ele tenta primeiro com Théoden, propondo paz e aliança entre Isengard e Rohan e prometendo grandes benefícios que poderiam vir disso. A voz dele encanta os Cavaleiros, e parece que convenceu Théoden também; entretanto, este recusa e claramente demonstra que nunca haverá tal paz. Então Saruman fala com Gandalf e tenta convencê-lo a se unir a ele. Gandalf ri disto e então dá a Saruman uma última chance para descer e os ajudar na causa deles, ou permanecer trancado em Orthanc. Saruman rejeita esta oferta, e Gandalf quebra o bastão dele e o bane da ordem dos Magos. Um globo cristalino estranho, aparentemente lançado por Língua de Cobra, cai de uma janela; Gandalf o pega, indicando que poderia ser um objeto de grande importância. A companhia diz adeus a Barbárvore [que promete que os ents vigiarão Orthanc e impedirão Saruman de escapar] e prepara-se para partir. 

Capítulo 11: O Palantír: A companhia pretende ir a Edoras e começa na direção do Abismo de Helm. Pippin está muito curioso sobre a bola de vidro que ele tinha pego, e à noite, quando todos estavam adormecidos, ele a pega debaixo do braço de Gandalf. Ele não pode resistir a olhar nela, e pouco depois ele desmaia com um grito. Gandalf lhe pergunta o que ele viu e fez: na pedra ele viu a Torre Escura, e foi interrogado por Sauron. Sauron achou que a pedra ainda estava em Orthanc, e que o hobbit era prisioneiro de Saruman, e apenas ordenou que Pippin dissesse a Saruman para entregar o prisioneiro a ele, sem fazer mais perguntas. A pedra parece ser um palantír, uma das sete pedras usadas pelos reis do passado, para se comunicar entre lugares distantes; assim, estando com essa pedra, Saruman poderia falar com o Senhor do Escuro. Uma sombra passa sobre o acampamento: é um dos Espectros do Anel, que estão montados agora em horríveis criaturas aladas, e parece estar indo em direção a Isengard. Gandalf propõe que os outros partam imediatamente com a máxima pressa, enquanto ele toma Pippin consigo e cavalga para Minas Tirith tão rápido quanto possível.

O Senhor dos Anéis II (J. R. R. Tolkien)


Os resumos foram gentilmente cedidos por Janez Brank (http://www.brank.org/tolksumm/ ), traduzidos do inglês por Luciano Soares e revisados por Imrahil, do site Valinor (http://www.valinor.com.br ) 

Livro II 

Capítulo 1: Muitos Encontros: Frodo desperta em Valfenda, onde esteve durante três dias aos cuidados do próprio Elrond. Seu braço agora está quase completamente curado. Gandalf também está lá e explica brevemente a Frodo o que aconteceu. Um grande banquete é dado à noite para celebrar a vitória no Vau do Bruinen, e os quatro hobbits estão lá como convidados de honra. Frodo vê muitas caras novas: Elrond, a filha dele, Arwen, e Glóin, um do doze anões que tinham acompanhado Bilbo na sua grande viagem. E, para sua grande alegria, ele encontra também Bilbo, que estava vivendo em Valfenda desde que deixara o Condado. Bilbo recita uma canção sobre Eärendil que ele tinha escrito há pouco. Então, enquanto os elfos cantam e escutam histórias, Bilbo e Frodo falam por muito tempo sobre suas aventuras. 

Capítulo 2: O Conselho de Elrond: Um grande conselho acontece em Valfenda, com o objetivo de determinar o que fazer na situação presente para impedir Sauron de dominar todo o mundo. Nesse Conselho estavam Elrond, Gandalf, Frodo, Bilbo, Glóin, Glorfindel, Aragorn, muitos elfos de Valfenda, e também os estrangeiros Legolas, filho de Thranduil, o Rei dos elfos-silvestres, e Boromir, filho de Denethor, o Regente de Gondor. Glóin conta que os mensageiros de Mordor vieram aos Anões, buscando informações sobre Bilbo e o seu Anel. Então, a história inteira do Anel é contada. Gandalf relata suas ações durante o verão, quando ele foi capturado por Saruman, o Branco, um Mago poderoso que se tornou um traidor. O Conselho conclui que o Anel não pode ser usado por ninguém exceto Sauron e que, já que o Anel não pode ser mantido fora do alcance de Sauron para sempre, deveria ser destruído em Orodruin. Finalmente, Frodo diz que aceitaria essa tarefa [e fica pasmo com as próprias palavras]. Elrond aprova a decisão de Frodo. 

Capítulo 3: O Anel Vai para Sul: Muitos mensageiros são mandados de Valfenda em todas as direções para procurar notícias de qualquer servo do Inimigo, e voltam aproximadamente dois meses depois. Elrond escolhe os companheiros para Frodo: a Companhia do Anel é formada por Frodo, Sam, Gandalf, Passolargo, Legolas, Gimli, Boromir, Merry e Pippin. Bilbo dá a sua espada, Ferroada, e sua cota de malha dos anões para Frodo. A Companhia parte para o sul, e viaja a oeste das Montanhas Sombrias durante muito tempo, principalmente à noite. Eles notam muitos corvos e falcões que voam sobre eles, e se preocupam ao imaginar que os pássaros possam ser os espiões do Inimigo. A Companhia tenta cruzar as Montanhas Sombrias pela Passagem de Caradhras, mas parece que a montanha os odeia: uma grande tempestade e quantidades enormes de neve os detêm, e eles são forçados a retroceder para não congelarem até a morte na neve. 

Capítulo 4: Uma Jornada no Escuro: A única escolha restante para a Companhia alcançar o outro lado das Montanhas agora é atravessar as minas de Moria, ou Khazad-dûm, antigamente um reino esplêndido dos anões, mas agora um lugar desolado e terrível. A Companhia é atacada por wargs, grandes lobos de Sauron, e embora tenham sucesso em reprimir o primeiro ataque, parece que o caminho de Moria é agora o único modo para evitar serem mortos pelos lobos. Eles acham os Portões de Moria e Gandalf descobre a senha que os abre. Quando eles estão a ponto de entrar, tentáculos que pertencem a uma criatura desconhecida saem do lago na frente dos Portões, e quase têm sucesso em arrastar Frodo para a água. A Companhia foge para dentro, e depressa descobre que as Portas foram barradas pelo lado de fora. Eles viajam pela escuridão das Minas por dois dias, e Frodo freqüentemente acha que ouve passos distantes que os seguem. Na manhã do terceiro dia eles alcançam a tumba de Balin e acham um diário lá. 

Capítulo 5: A Ponte de Khazad-dûm: Gandalf lê o diário durante algum tempo e descobre, entre outras coisas, a localização da tumba dentro de Moria, o que deveria facilitar a saída deles. Porém, quando decidem ir em busca da saída, eles são atacados por um número grande de orcs, acompanhados por trolls. Eles se defendem com muita valentia na câmara da tumba, e com os intervalos entre os ataques eles escapam pela outra porta. Gandalf tenta fechar a porta com um feitiço, mas é impedido por um contra-feitiço de um desconhecido, mas aparentemente um oponente muito forte. Debaixo da pressão dele, Gandalf quebra a porta e destrói a câmara inteira. Isto bloqueia a passagem e livra a Companhia durante algum tempo da perseguição. Eles continuam descendo e alcançam o nível debaixo dos portões. Nesse ponto os Orcs prepararam uma armadilha de fogo para eles, mas a Companhia não desceu a estrada principal e os Orcs a desceram, separando assim a Companhia dos perseguidores. O caminho segue por uma ponte estreita sobre uma fenda, que foi feita como uma defesa pelos Anões de antigamente. Os trolls trazem lajes de pedra para cruzar a barreira de fogo, e antes de a Companhia conseguir cruzar a ponte, um balrog aparece: uma grande criatura humanóide que brande uma espada e um chicote ígneo. Gandalf luta com ele na ponte; o mago quebra a ponte com seu bastão e os dois caem na fenda. O resto da Companhia escapa em segurança para fora de Moria. 

Capítulo 6: Lothlórien Gimli e Frodo visitam o Espelho de Durin: A Companhia continua o seu caminho, e Aragorn cuida das feridas de Frodo e Sam. Eles entram na floresta de Lórien, e cruzam o rio Nimrodel. Eles são parados por três guardas, elfos de Lothlórien que lhes permitem dormir nas suas plataformas sobre as árvores. Os orcs passam em baixo das árvores naquela noite, e Gollum, que os está espionando, também é visto. Graças às mensagens de Elrond, que já haviam alcançado Lórien, é permitida a passagem dos membros da Companhia, mas com os olhos vendados e acompanhados por dois guardas. No dia seguinte eles conhecem mais elfos que trazem uma mensagem do Senhor e Senhora dos galadhrim, permitindo à Companhia caminhar com os olhos abertos. Lórien é uma terra estranha e maravilhosa, onde muitas coisas antigas e belas ainda vivem como nos Dias Antigos. Eles alcançam Cerin Amroth, a Colina de Amroth, da qual Aragorn parece ter recordações muito felizes.

Capítulo 7: O Espelho de Galadriel: A Companhia passa vários dias em Caras Galadhon, a cidade dos elfos; eles conhecem Celeborn e Galadriel, Senhor e Senhora de Lórien, e falam com eles sobre a missão e sobre Gandalf. Certa noite, Galadriel leva Frodo e Sam para um jardim; ela enche uma bacia prateada de água de uma fonte, e cria um Espelho mágico. Ela lhes permite olhar no espelho, mas os adverte que este pode mostrar o passado ou o futuro, e que pode ser traiçoeiro guiar suas ações de acordo com as visões no espelho. Sam olha primeiro no espelho, e vê árvores serem cortadas por toda parte no Condado. Então Frodo olha no espelho, e vê muitas coisas: Gandalf com uma roupa branca; Bilbo, caminhando no quarto dele, o Mar e o Olho de Sauron. Frodo vê no dedo de Galadriel um dos Três Anéis dos elfos, e lhe oferece o Um Anel, mas ela o rejeita. 

Capítulo 8: Adeus a Lórien: A Companhia está a ponto de deixar Lórien, e os Elfos lhes dão três barcos leves para facilitar a viagem deles Anduin abaixo; eles também dão para a Companhia mantos élficos cinzentos, várias cordas boas, e um pouco de lembas, um tipo especial de pão do qual pequenos pedaços podem dar força suficiente para um dia inteiro. Após descerem o rio por algum tempo, eles vêem um barco cuja forma se assemelha a um cisne. A bordo estão Celeborn e Galadriel, e a Companhia é convidada a bordo para um banquete de despedida. Galadriel dá um presente a cada membro da Companhia, entre eles um frasco cristalino com a luz de Eärendil para Frodo, uma caixa de terra de Lórien para Sam, e um broche prateado com uma pedra preciosa verde para Aragorn. Então a Companhia deixa Lórien finalmente e continua a viagem; deixar aquela terra tão maravilhosa é uma grande aflição para todos eles. Nota: várias passagens que dão informações importantes sobre os elfos aparecem neste capítulo, como também nos dois capítulos anteriores. 

Capítulo 9: O Grande Rio: A viagem da Companhia para o sul Anduin abaixo dura vários dias. Gollum os está seguindo em um tronco de madeira, colocando a Companhia em perigo, não só por causa do próprio Gollum, mas também porque ele poderia chamar a atenção de orcs que estavam a leste do rio. Eles também notam uma águia, longe no céu, e decidem viajar à noite para minimizar as chances de serem percebidos. Uma noite eles chegam muito perto das Cataratas de Sarn Gebir, e são atacado por orcs. Uma forma escura estranha voa por cima deles, e Legolas atira uma flecha com o seu arco, derrubando a criatura; isto espanta os inimigos, o ataque pára e a Companhia se retira em uma baía por um atalho rio acima. Neste momento eles notam que tinham passado quase um mês em Lórien. Eles levam os barcos e as bagagens ao longo de um caminho velho além das Correntezas, e a viagem continua além dos Argonath, os Pilares dos Reis, grandes estátuas de Isildur e Anárion construídas há muito tempo pelo numenoreanos. Eles chegam perto das Quedas de Rauros, onde o curso final deles deveria ser decidido: ir para leste rumo a Mordor, ou virar ao sul para Minas Tirith.

Capítulo 10: O Rompimento da Sociedade: A Companhia passa a noite no lado ocidental do Rio. Ferroada, a espada de Frodo, está cintilando, indicando que aqueles orcs não estão distantes. No dia seguinte eles têm que decidir o curso que seguirão; a escolha está nas mãos de Frodo, já que o caminho do Portador do Anel só pode ser decidido pelo Portador, ele mesmo. Frodo sente que poderia tomar a decisão mais facilmente se estivesse só, e os outros lhe dão uma hora para se decidir. Ele caminha sem rumo e tenta sem sucesso tomar uma decisão clara. Enquanto isso, Boromir deixa a Companhia sem ser notado, acha Frodo na floresta e lhe ordena que entregue o Anel a ele. Frodo ainda está determinado, e agora firmemente, a ir para Mordor e tentar destruir o Anel; Boromir começa a ficar nervoso e começa a ameaçá-lo. Assim, Frodo coloca o Anel e sai correndo. Ele vai para o topo da colina de Amon Hen, onde pode ver [ainda usando o Anel] terras próximas e distantes até a terra de Mordor. Ele sente o Olho de Sauron que o procura, e finalmente reúne forças para tirar o Anel. Ele decide deixar a Companhia secreta e imediatamente, pois caso contrário ele não poderia reunir coragem para partir em outra ocasião. Enquanto isso, Boromir volta à Companhia e eles começam a procurar Frodo; enquanto os outros estavam procurando, Sam percebe que Frodo estava provavelmente tentando deixá-los, e retorna para os barcos no momento em que Frodo estava arrastando um deles para a água. Logo depois eles partem juntos, cruzam o rio e tomam o rumo de Mordor.